quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Selo brasileiro vai facilitar acesso do produto orgânico nacional ao mercado estrangeiro


A certificação obrigatória dos agricultores orgânicos, prevista para 2011, vai facilitar o acesso desses produtos brasileiros ao mercado exterior, avaliou hoje (7), o chefe da Divisão de Mecanismos de Garantia da Qualidade Orgânica da Coordenação de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Roberto Guimarães Habib Mattar.“A certificação dá para todos os produtores e quem trabalha com esse meio orgânico ter uma vinculação com a lei. A certificação é a avaliação de qualidade do produto”, disse Mattar em entrevista à Agência Brasil.
Ele espera que o selo de qualidade do produto nacional colabore para o crescimento do mercado interno e da exportação de orgânicos.“Historicamente, em todos os países foi assim. Depois que o nosso sistema estiver operante, os países vão buscar equivalência com a gente. Vai ser mais facilitado o trânsito comercial desses produtos”. Isso significa que as certificadoras brasileiras vão estar na mesma condição de equivalência de procedimentos das certificadoras internacionais, sem a necessidade de ser avaliada pelo organismo estrangeiro.
O mesmo vai ocorrer em relação à importação, afirmou.De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as exportações brasileiras de produtos orgânicos totalizaram 45,7 toneladas entre agosto de 2006 a junho de 2010, representando o ingresso no Brasil de US$ 33,33 milhões.Os órgãos responsáveis pela certificação são as entidades certificadoras ou os organismos participativos de avaliação da conformidade. Mattar disse que o maior exemplo desses organismos é a Rede Ecovida de Agroecologia, que envolve cerca de 3,5 mil famílias nos três estados da Região Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná). “Tem uma estrutura montada de avaliação de conformidade orgânica dentro das comunidades”.
A diferença entre esse sistema e as certificadoras é que o serviço de certificação não é terceirizado por uma empresa fora daquele contexto, explicou.Além de se credenciarem no Ministério da Agricultura, as certificadoras têm, também, de serem previamente acreditadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). “O Ministério da Agricultura não faz certificação. Ele faz auditoria de quem certifica”.
A auditoria do ministério abrange os dois sistemas de certificação. A produção orgânica cresce em torno de 20% a 30% por ano no Brasil. O último número disponível, de 2008, mostra que o setor faturou US$ 250 milhões. Apesar de ainda reduzido em comparação aos países desenvolvidos, como os Estados Unidos, que movimentaram naquele ano U$ 8 bilhões em produtos orgânicos, Roberto Mattar assegurou que a perspectiva é de expansão da produção nacional.
“A gente já vê uma demanda clara de pessoas e de entidades procurando realizar convênios para fazer a capacitação dos produtores para se adequar à legislação”. Mattar avaliou que a institucionalização, às vezes, pode criar resistências à burocracia mas, por outro lado, dá respaldo legal de organização aos produtores.A certificação permitirá ao governo elaborar o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, que começará a ser alimentado por dados das certificadoras a partir de 2011, contendo informações sobre a quantidade de agricultores de produtos orgânicos, total de hectares plantados, hectares plantados por cultura, entre outros dados.
Roberto Mattar lembrou, também, o incentivo dado pelo governo à compra de produtos orgânicos por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O programa é destinado a agricultores familiares “e, quando se trata de produtos orgânicos, o PAA paga 30% a mais de valor”, disse.



Fonte:Agência Brasil

Um comentário:

  1. Ola meu nome é marcelo josué e recentemente eu fui chamado para coordenar um projeto em uma casa de recuperação,e um dos projetos é a criação de galinha caipira e eu gostaria de saber como posso adquirir o selo de produto orgânico no qual se refere esta matéria;o nosso projeto de criação de galinhas caipira é o que a embrapa recomenda mas nós não sabemos como adquirir um selo de qualidade do produto ,nós temos muitas vagas sociais na nossa chacará e o nosso intuito é conseguir alguma renda com as galinhas e precisamos saber como entrar no mercado,somos uma instituicão filantrópica e o projeto é para o nosso própio sustento,temos 50 internos atulmente mais somente 30 pagam pelo tratamento e os outros 20 internos são vagas que nós doamos e esta pesado sustenta-los,por isso tivemos a idéia do projeto,muito obrigado pela atenção e fiquem com DEUS.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...