terça-feira, 14 de julho de 2009

Bioinseticida será produzido a partir do sisal baiano


O sisal da Bahia contará com recursos do Fundo Comum de Commodities (CFC) da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que fica em Amsterdã, na Holanda, para o aproveitamento do resíduo líquido do sisal para a produção de bioinseticida e parasiticida. Para a primeira etapa do projeto – um estudo de pré-viabilidade para elaboração de um plano de negócios – serão liberados US$ 170 mil, sendo US$ 112 mil de recursos não-reembolsáveis por parte do CFC. O projeto, que foi apresentado pela Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e pelo Sindfibras, com o apoio do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), está orçado em US$ 1 milhão.
Segundo o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ildes Ferreira, caso os resultados das pesquisas iniciais sejam positivos, o CFC vai liberar no próximo ano a parcela complementar, de R$ 890 mil, para estudos adicionais e implantação de uma unidade industrial piloto na região sisaleira da Bahia para a produção de bioinseticida e parasiticida. Eles serão produzidos a partir do resíduo líquido da extração da fibra do sisal, hoje estimado em dois bilhões de litros anuais e totalmente descartado no campo. A apresentação do projeto contou também como o empenho da Associação Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e do Promo –Centro Internacional de Negócios da Bahia.
A idéia é que o projeto seja desenvolvido em parceria com universidades e centros de pesquisa durante quatro anos no Território do Sisal, localizado no semiárido baiano. O projeto pretende utilizar o resíduo líquido do sisal também para a produção de dietético. De acordo com o engenheiro químico Adalberto Luiz Cantalino, o adoçante extraído do sisal é a inulina, um produto de origem natural que pode ser utilizado em substituição ao açúcar na indústria alimentícia e farmacêutica que não é absorvido pelo organismo, ou seja, é uma solução natural à substituição dos ciclamatos utilizados na indústria dos dietéticos.
Produto vai combater pragas na agricultura O bioinseticida será empregado para combater pragas na agricultura. Em projeto anterior, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), foi descoberto que o suco do sisal in natura atua como bioinseticida no combate a pragas do plantio de algodão. Mas esse suco começa a fermentar dois dias após sua extração, o que inviabiliza sua produção comercial. “A idéia é extrair o principio ativo e acondicioná-lo, para que tenha um tempo mais longo de vida útil”, disse Cantalino. A vantagem em relação aos inseticidas disponíveis no mercado é a ausência de drogas químicas nocivas ao meio ambiente e ao ser humano. O projeto prevê ainda a produção de um parasiticida para combater pragas comuns em ovinos, bovinos e caprinos.


Fonte: Governo da Bahia

Um comentário:

  1. Bom dia!

    O sisal segundo pesquisa agora tem mais uma alternativa de uso: Obtenção de defensivos agrícolas Veja no blog assesoriaagronomica.blogspot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...