sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Saiba mais sobre o Nim – inseticida orgânico

Azadirachta indica A. Juss.- Nim

A crescente demanda dos mercados nacional e internacional por alimentos orgânicos tem modificado o comportamento dos agricultores, que estão passando a se dedicar a formas mais eficientes de produção sem resíduos químicos, reduzindo a agressão ao meio ambiente. Aliado a isso, o aumento de resistência das pragas aos diversos tipos de pesticidas tem estimulado á busca por novas opções no controle de pragas e doenças na agricultura. Uma das alternativas é a planta denominada Nim (Azadirachta indica A. Juss.), que é utilizada há vários séculos na Índia, e que vem sendo introduzida na Brasil.
Trata-se de uma planta da família das Meliáceas, mesma família do Cedro, Mogno e Santa Bárbara (Cinamomo). Além de praticamente inócua ao homem, o Nim é de fácil uso pelo produtor rural, através do extrato dos seus frutos, folhas, torta e óleo da semente. Além de controlar pragas e doenças da agricultura, a planta é também utilizada na medicina pra o tratamento de doenças como a Chagas e malária, e também na indústria de cosméticos.
Somando-se a isso, a planta apresenta inúmeros ingredientes ativos, que dificulta a resistência dos insetos aos seus extratos.
O Nim não é uma espécie muito exigente em fertilidade, mas não tolera solos encharcados e clima frio. Resistente a seca a planta se desenvolve bem em regiões com precipitações de 400 mm anuais, mas o ideal fica entre 800 mm a 1.800 mm.
Adapta-se a solos arenosos, profundo e bem drenados. A árvore é de crescimento rápido, e atinge cerca de 15 a 20 metros de altura. No Brasil a época de maior produção de frutos ocorre entre dezembro e janeiro nas regiões Norte, Central e Nordeste; e em fevereiro-março na região Sul.

Uso no controle de doenças e pragas agrícolas

a) Torta da semente: em condições de campo, a incorporação da torta de nim no solo resulta na supressão de uma série de fungos de solo, como o Rhizoctonia solani e Fusariium oxysporium. Estudos em arroz e batata mostraram a supressão de R. solani; em berinjela, as duas espécies de fungo citadas e o Colletotrichum sp. Foram suprimidos pela incorporação da torta no solo.

b) Óleo de semente: testes em meio de cultura mostraram a inibição de crescimento da R. solani e F. oxysporium, entre outros. O óleo umulsionável de nim também mostrou eficiência no controle do oídio em feijoeiro, tanto preventivamente, quanto em tratamento curativo. O óleo reduz pouco o aparecimento de fungos em frutos pós a colheita, porém diminui sensivelmente a velocidade de deterioração.

c) Folha e extrato da folha; apesar do conteúdo dos princípios ativos nas folhas se menor do que nos frutos, resultados demonstraram que a incorporação direta das folhas frescas ou secas, como adubo orgânico, pode reduzir a população de fungos no solo. Em sementes de algodão, o extrato da folha não afetou o crescimento de Aspergillus flavus, porém bloqueou a produção de aflotoxina.

Fonte: http://www.emater.rn.gov.br

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...