sábado, 9 de abril de 2011

Arsênio e metais tóxicos encontrados nos alimentos para bebês

Ontem à noite houve apelos urgentes na Inglaterra para novas regras de segurança para controlar a presença dos venenos nos alimentos destinados a crianças pequenas. Os funcionários da Food Standards Agency e a Comissão Européia estão realizando uma revisão urgente para estabelecer novos limites para a exposição em longo prazo destes contaminantes em alimentos. Os produtos testados pelos pesquisadores são provenientes de grandes fabricantes de alimentos para bebês, incluindo a Organix, Hipp, Nestlé e Holle - alguns dos quais estão disponíveis nos supermercados britânicos.
Os investigadores encontraram na alimentação de lactentes com papas de arroz até cinqüenta vezes de arsênico quando comparado ao aleitamento materno sozinho. A exposição a outros metais tóxicos, como cádmio, que é conhecida por causar danos neurológicos e renais, aumentou até 150 vezes em alguns dos alimentos testados por cientistas suecos, enquanto chumbo aumentou em até oito vezes.Embora nenhum dos níveis dos elementos tóxicos encontrados nos alimentos ultrapassou os limites de segurança oficial, os cientistas acreditam que ainda é motivo de preocupação alimentar as crianças muito jovens com estes níveis e têm demandado novas diretrizes para restringir a sua presença nos alimentos.Os lactentes jovens são tidos como especialmente vulneráveis ​​a essas substâncias, pois eles estão passando por um rápido desenvolvimento.
Em artigo no jornal “Food Chemistry”, os cientistas do Karolinska Institutet, em Estocolmo, na Suécia, onde a pesquisa foi realizada, afirmaram: "É alarmante que estes alimentos complementares também podem introduzir grandes quantidades de elementos tóxicos, como arsênio, cádmio, chumbo e urânio, principalmente de suas matérias-primas.” “Estes elementos têm de ser mantidos em um mínimo absoluto em produtos alimentares destinados ao consumo infantil”.
"Nos alimentos infantis, as altas concentrações de arsênico nos alimentos à base de arroz são uma preocupação especial."Os especialistas acreditam agora que não há limites seguros para o arsênio e os fabricantes devem fazer mais esforços para removê-lo da sua comida.Oprofessor Andrew Meharg, um biogeoquimista da Universidade de Aberdeen, que estudou a presença de arsênico no arroz, disse que as pesquisas mais recentes destacaram a necessidade urgente de novas restrições sobre o arsênio e outros elementos tóxicos em alimentos.
Ele disse: "Para um adulto com um consumo médio de arroz por dia, talvez faça pouca diferença, mas para os bebês jovens que são os receptores mais vulneráveis deveríamos estar fazendo tudo que podemos para reduzir esse risco de danificar o DNA durante o desenvolvimento infantil”."Há formas de diminuir a carga tóxica na comida, utilizando produtos orgânicos, por exemplo,” Só muito recentemente é que começaram a usar o arroz em alimentos para bebês. Você pode reduzir o arsênio em alimentos infantis muito rapidamente com a terceirização do arroz de diferentes partes do mundo. Você pode reduzi-la em quatro ou cinco vezes por selecionar cuidadosamente o arroz certo. " Completou.



Fonte: http://www.telegraph.co.uk

Um comentário:

  1. É um absurdo, química no leite materno, os efeitos dos insumos quimicos estão aparecendo, e cada vez mais em lugares onde nunca imaginamos. não podemos deixar isso continuar. www.agroecovida.blogspot.com se puder, dá uma forcinha no meu blog. victor Netto

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...