sábado, 28 de fevereiro de 2009

Insumos alternativos e serem aceitos na agricultura agroecológica

Para serem considerados como insumos alternativos e serem aceitos na agricultura agroecológica, todos os produtos e substâncias ( químicos, orgânicos, biológicos ou naturais) devem atender os seguintes requisitos:

>Terem mínima ou nenhuma toxicidade (pertencentes ao grupo toxicológico IV).
>Terem eficiência no combate a insetos ou microorganismos nocivos às plantas.
>Terem custo reduzido para sua aquisição e emprego no campo.
>Serem de manejo e aplicação simples Devem ser fáceis de se obter.

A seguir são apresentados, os mais conhecidos insumos agroecológicos:

1. Plantas Defensivas:
O emprego de extratos, chás ou sucos de plantas, é uma alternativa viável para o combate de muitas pragas e doenças.

Alho
O extrato de alho tem ação fungicida, combatendo doenças como o míldio e ferrugens, e ação bactericida. É utilizado também como repelente de insetos nocivos como a lagarta da maçã e o pulgão.

Chá de Cavalinha (Equisetum arvense ou Equisetum giganteum)
Indicado e empregado na horticultura, aumenta a resistência da planta contra insetos nocivos em geral.

Cravo de Defunto
Combate pulgões, ácaros e algumas lagartas.

Fumo (Nicotina)
A nicotina contida no fumo é um excelente inseticida, tendo ação de contato contra pulgões, tripes e outras pragas. Quando aplicada como cobertura do solo, pode prevenir o ataque de lesmas, caracóis e lagartas cortadeiras.

Neem ou nim (Azaridachta indica)
Têm como príncipio ativo a azadiractina, encontrada nas folhas e nos frutos, é indicada para o combate à traças, lagartas, pulgões, gafanhotos, agindo como inseticida e repelente de pragas em geral.

Pimenta
Tem boa eficiência quando concentrada e misturada com outros defensivos naturais no combate aos pulgões, vaquinhas, grilos e lagartas.

Primavera ou Maravilha (Bougainvillea spectabilis ou Mirabilis jalapa)
Resultante da extração do suco das folhas destas plantas, torna-se um método eficiente para imunizar mudas de tomate contra vira cabeça do tomateiro.

Urtiga
Planta empregada principalmente na horticultura, ela é útil no combate aos pulgões e para aumentar a resistência natural.

2. Produtos Orgânicos como Agentes Defensivos

Cinzas
A cinza de madeira é um material rico em potássio, recomendado no controle de pragas e até de algumas doenças, podendo ser aplicado na mistura com outros produtos naturais.

Farinha de Trigo
A farinha de trigo de uso doméstico pode ser efetiva no controle de ácaros, pulgões e lagartas em hortas domésticas e comunitárias. Pulverizando-se de manhã as folhas atacadas, a farinha seca ao sol, formando uma película que envolve as pragas e fazendo com que estas caiam com o vento.

Leite
O leite em sua forma natural ou como soro é indicado para o controle de ácaros e ovos de diversas lagartas, assim como no combate à várias doenças fúngicas e viróticas.

Sabão e suas Misturas
O sabão (não detergente) tem efeito inseticida e quando acrescentado a outros defensivos naturais pode aumentar a sua efetividade. Sozinho, tem bom efeito sobre muitos insetos de corpo mole como o pulgão, as lagartas e moscas brancas. A emulsão de sabão e querosene transforma-se em um inseticida de contato, bastante indicado para o combate a insetos sugadores.

3. Fertilizantes Agrícolas

Alternativos
Utilizados como adubos foliares, estes fertilizantes têm como principal função a manutenção de uma nutrição equilibrada da planta, levando-a desta forma a um aumento de sua resistência natural contra pragas e moléstias.

Calda Biofertilizante
É preparada com estercos animais, restos de culturas, capins e resíduos orgânicos em um processo de fermentação anaeróbica ou aeróbica. Existem vários produtos que podem ser utilizados para enriquecerem o biofertilizante.

Supermagro
Indicado como fonte suplementar às plantas, o supermagro consiste em um biofertilizante enriquecido com micronutrientes. É importante que a diluição correta seja respeitada na aplicação.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Implantação de uma horta orgânica


Para implantação de uma horta orgânica em pequenas áreas pode-se considerar o calculo de 10 m2 por pessoa e que uma hora de trabalhos diários possibilita a manutenção até 100 m2 de área trabalhada. Para início da produção é importante realizar um planejamento. Nele deve-se definir os espaços a serem utilizados e o tipo de produção pretendida. Descrevemos no item Instalação da horta, algumas instalações indispensáveis à implantação de uma horta orgânica.
O planejamento da produção se refere à escolha dos produtos pretendidos, verificando-se época de plantio, variedades adaptadas, escalonamento de produção, consórcios, ciclos das culturas, exigências e tratos culturais necessários, assuntos que trataremos mais adiante. Em uma horta conduzida no sistema orgânico, e necessário inicialmente tomar conhecimento sobre dados regionais como clima, tipo de solo, proximidade com áreas florestadas, fauna existente, e outras. Todos estes fatores são relevantes para a condução de um plantio que deve interagir com o meio ambiente em que se insere.
O clima, por exemplo, é determinante na adaptação de certas culturas e deve ser levado em consideração na seleção de variedades. As diferenças entre estações, quanto a temperatura e pluviosidade devem ser verificados, servindo como base para um calendário de épocas de plantio. O tipo de solo é o fator mais relevante a ser considerado para a produção. O solo deve ser encarado como um organismo vivo, que interage com a vegetação em todas as fases de seu ciclo de vida. Devem ser analisados os aspectos físico, químico e biológico dos solos.
O aspecto físico do solo se refere à sua textura e sua estrutura. A textura de um solo se relaciona ao tamanho dos grãos que o formam. Um solo possui diferentes quantidades de areia, argila, matéria orgânica, água, ar e minerais. A forma como estes componentes se organizam, representa a estrutura do solo. Um solo bem estruturado deve ser fofo e poroso permitindo a penetração da água e do ar, assim como de pequenos animais, e das raízes. O aspecto químico se relaciona com os nutrientes que vão ser utilizados pelas plantas. Esses nutrientes, dissolvidos na água do solo (solução), penetram pelas raízes das plantas. No sistema orgânico de produção os nutrientes podem ser supridos através da adição de matéria orgânica e compostos vegetais.
O aspecto biológico trata dos organismos vivos existentes no solo, e que atuam nos aspectos físicos e químicos de um solo. A vida no solo só é possível onde há disponibilidade de ar, água e de nutrientes. Um solo com presença de organismos vivos indica boas condições de estrutura do solo. Os microorganismos do solo são os principais agentes de transformação química dos nutrientes, tornando-os disponíveis para absorção pelas raízes das plantas. A matéria orgânica é um dos componentes de um solo e atua como agente de estruturação, possibilitando a existência de vida microbiana e fauna especifica, além de adicionar nutrientes à solução do solo.
Os solos no Brasil em geral são ácidos sendo recomendável, sempre, iniciar a correção do solo com a aplicação de calcário, de preferência o dolomítico que, além de conter cálcio, tem magnésio. O calcário deve ser aplicado dois meses antes do plantio. No Brasil os solos também sofrem de deficiência de fósforo. De acordo com o resultado da amostra do solo é bom aplicar adubo fosfatado. As principais fontes de fósforo são Fosfato de Araxá, termofosfatos e farinha de ossos.


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Revista Agricultura Biodinâmica

A Revista Agricultura Biodinâmica começa a ser publicada pelo Instituto Biodinâmico de Desenvolvimento Rural a partir do ano de 1994, com o nome de Boletim. Com a mudança do nome da Instituição para Associação Brasileira de Agricultura Biodinâmica no ano de 2000, a revista recebe o registro do ISSN e passa a ser chamada somente pelo nome de “Agricultura Biodinâmica”. Recentemente soubemos que a Revista Agricultura Biodinâmica é classificada pelo CAPES (Conselho de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) como Quali B, pela sua qualidade e periodicidade, estando ao lado de revistas de Universidades Brasileiras.A Revista Agricultura Biodinâmica é editada pela Associação Biodinâmica, apoiada pela Associação Beneficente Tobias e distribuída exclusivamente a assinantes. Publicamos artigos técnicos, científicos e estudos ligados à agricultura biodinâmica e agroecologia em geral.

Direção Executiva: Eduardo Mendoza
Jornalista responsável: Carlos Henrique CarvalhoConselho
Editorial: Alexandre HarkalyEduardo MendozaFrancisco L.A.Câmara
Geraldo Deffune G. de OliveiraIraê Amaral Guerrini
Maria J.A.Bertalot
Pedro Jovchelevich




terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Agricultura biodinâmica

Histórico:
A corrente biodinâmica da agricultura teve seu início num ciclo de 8 palestras feitas na década de 1920, na Polônia, pelo filósofo Rudolf Steiner, que formulou uma nova filosofia para ser aplicada na medicina, na pedagogia e nas artes: a antroposofia, a qual pretende captar através de métodos experimentais, fatos supra-sensoriais, ou elementos de natureza espiritual que estão além da matéria no meio natural.

Princípios:

De acordo com esta corrente, a saúde do solo, das plantas e dos animais dependem da sua conexão com as forças de origem cósmica da natureza. Para restabelecer o elo de ligação entre as formas de matéria e de energia presentes no ambiente natural, é preciso considerar a propriedade agrícola como um organismo, um ser indivisível. Através do equilíbrio entre as várias atividades (lavouras, criação de animais, uso de reservas naturais), busca-se alcançar maior independência possível de energia e de materiais externos à fazenda. Este é o princípio chamado de "auto-sustentabilidade", que vale tanto para a agricultura biodinâmica como para todas as outras correntes da Agroecologia.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Empresa de produtos orgânicos Preserva Mundi


A Preserva Mundi é uma empresa brasileira localizada no município de São João de Pirabas, estado do Pará, onde fica um pedaço da floresta Amazônica. Seu trabalho é feito em parceria com comunidades ribeirinhas, contribuindo com a renda de várias famílias e o desenvolvimento da região. Plantam produtos 100% orgânicos e certificados pela Control Union. Seu comprometimento é com uma agricultura responsável, amiga da natureza e do homem.A Preserva Mundi é o resultado de um projeto idealizado pelos seus fundadores que gostariam de compartilhar desse resultado com todos que acreditam em uma vida sustentável com produtos orgânicos, naturais e biodegradáveis. Acreditam sensibilizar a consciência de seus consumidores produzindo com qualidade e eficiência, de uma maneira criativa e sustentável, para contribuir com a qualidade de vida de todos. Sua identidade é a natureza.


domingo, 22 de fevereiro de 2009

Agricultura orgânica e biológica

Histórico:


As observações feitas no início do século pelo botânico e agrônomo inglês Sir. Albert Howard em relação ao tipo de agricultura praticada pelos camponeses indianos, deram início a estas duas correntes que, apesar dos nomes distintos são muito semelhantes, podendo ser analisadas conjuntamente. Os estudos realizados na Índia sobre compostagem e adubação orgânica, resultaram posteriormente na publicação em 1940 do livro "Um Testamento Agrícola", com relevantes referências bibliográficas para os praticantes do modelo orgânico. O trabalho de Howard não foi bem aceito pela comunidade britânica, mas encotrou eco em Lady Balfour que publicou The Living Soil (O solo vivo), que daria origem à The Soil Association (Associação do Solo), principal órgão representativo do setor orgânico da Grã-Bretanha.


Princípios:


Segundo Howard a fertilidade dos solos deve ser construída a partir de um amplo suprimento de matéria orgânica e, sobretudo na manutenção de elevados níveis de húmus (matéria orgância já decomposta e estabilizada) no solo. A base científica desta corrente se assenta nas seguintes práticas: rotação de culturas, manejo e fertilização do solo. Assim como as correntes, natural e biodinâmica o princípio gerador da estabilidade e saúde das plantas, encontra-se no manejo da matéria orgânica como prática geradora de boas fertilidade e estruturação do solo. Também como nas outras correntes agroecológicas, o solo é considerado um "organismo complexo", repleto de seres vivos (minhocas, bactérias, fungos, formigas, cupins, etc) e de substâncias minerais em constante interação e inter-dependência, o que significa que ao se manejar um aspecto (adubação, por exemplo), faz-se necessário considerar todos os outros (diversidade biológica, qualidade das águas subterrâneas, suscetibilidade à erosão, etc.) de forma conjunta. Este é o princípio da "visão sistêmica" da agricultura (também chamado "holismo"), o qual prescreve que a propriedade agrícola deva ser considerada em todas as suas dimensões (produtiva, ecológica, social, econômica, etc...).




sábado, 21 de fevereiro de 2009

Produtos orgânicos de origem animal

Os produtos orgânicos de origem animal devem provir de unidades de produção, prioritariamente auto-suficientes quanto à geração de alimentos para os animais em processo integrado com a produção vegetal.Para a efetivação da sustentabilidade, esses sistemas devem obedecer os seguintes requisitos:
a) respeitar o bem-estar animal;
b) manter um nível higiênico em todo o processo criatório, compatível com as normas de saúde pública vigentes;
c) adotar técnicas sanitárias preventivas sem o emprego de produtos proibidos;
d) contemplar uma alimentação nutritiva, sadia e farta, incluindo-se a água, sem a presença de aditivos químicos e/ou estimulantes, conforme o Anexo IV, da presente Instrução;
e) dispor de instalações higiênicas, funcionais e confortáveis;
f) praticar um manejo capaz de maximizar uma produção de alta qualidade biológica e econômica; e
g) utilizar raças, cruzamentos e o melhoramento genético (não OGM/transgênicos), compatíveis tanto com as condições ambientais e como estímulo à biodiversidade.
Entende-se por bem-estar animal, permanecer o mesmo livre de dor, de sofrimento angústia e viver em um ambiente em que possa expressar proximidade com o comportamento de seu habitat original: movimentação, territoriedade vadiagem. descanso e ritual reprodutivo. O transporte, pré-abate e o abate dos animais devem seguir princípios humanitários e de bem-estar animal, assegurando a qualidade sanitária da carcaça. Excepcionalmente, para garantir a saúde ou quando houver risco de vida a de animais, na inexistência de substituto permitido, poder-se-ão usar medicamentos convencionais. É obrigatório comunicar à certificadora o uso desses medicamentos, bem como registrar a sua administração.O período de carência estipulado pela bula do produto a ser cumprido, deverá ser multiplicado pelo fator três, podendo ainda ser ampliado de acordo com a instituição certificadora. São permitidas todas as vacinas previstas por Lei. Preferencialmente, a aquisição dos animais deve ser feita em criações orgânicas. No caso de aquisição de animais de propriedades convencionais, estes devem prioritariamente ser incorporados à unidade produtora orgânica, com a idade mínima em que possam ser recriados sem a presença materna. Os animais adquiridos em criações convencionais devem passar por quarentena tradicional, ou outra a ser definida pela certificadora.


Fonte: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 7, DE 17 DE MAIO DE 1999

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Permacultura

Histórico:

A permacultura, também chamada de "agricultura permanente", começou por volta de 1975, 1976, com as idéias de Bill Mollison na Austrália sobre um modo diferente de se pensar a disposição das espécies vegetais, mais próximo dos ecossistemas naturais. Viajando para os Estados Unidos, Bill e outros pioneiros difundiram suas teorias até conseguirem a construção de um Centro Rural de Educação, primeira instituição oficial da permacultura neste país.
Princípios:

Nesta corrente se procura praticar uma agricultura da forma mais integrada possível com o ambiente natural, imitando a composição espacial das plantas encontradas nas matas e florestas naturais. Envolve plantas semi-permanentes (mandioca, bananeira) e permanentes (árvores frutíferas, madereiras, etc), incluindo a atividade produtiva de animais. Trata-se, pois, de um sistema "Agrosilvopastoril", ou seja, que busca integrar lavouras, com espécies florestais e pastagens e outros espaços para os animais, considerando os aspectos paisagísticos e energéticos, na elaboração e manutenção destes policultivos (diversas culturas convivendo no mesmo espaço).

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Quem é o consumidor orgânico


A industria de alimentos e suplementos naturais não para de crescer, motivada pela maior preocupação das pessoas com sua saude e qualidade de vida. Cada vez mais, novos produtos do gênero são lançados e o consumidor tem hoje, várias opções à sua escolha para atender suas necessidades. No Brasil, as mulheres respondem por 70% das decisões de compra e dão prioridade a produtos confiáveis e garantidos como benéficos à saude. A qualidade da alimentação dos filhos é uma prioridade para as mães atentas à questão dos agrotóxicos. De modo geral, o consumidor do produto orgânico apresenta tres tipos diferentes:

1 – O consumidor "ecológico"e militante:Conscientizado e informado, esse cliente sabe bem o que quer e faz suas compras com atenção e cuidado. Olha o rótulo do produto, verifica se tem algum sêlo de certificação, quer saber a origem do produto, como foi produzido e quer garantias. É o tipo de consumidor que questiona a ausência na industria, de embalagens degradáveis para os produtos orgânicos. Procura fugir da alimentação industrializada e de produtos que tenham residuos químicos.

2 – O consumidor que quer se iniciar em um novo estilo de vida e de consumo:Procura se informar e sabe que o padrão de sua alimentação pode melhorar em qualidade. Compra o produto orgânico, pela recomendação de outras pessoas que já o conhecem, pois está acostumada a consumir apenas as marcas tradicionais do mercado.
Nessa mesma categoria, estão aqueles que buscam um novo estilo de consumo por razões de doença ou intoxicação. Procuram melhorar a qualidade de sua alimentação, orientados por médicos e nutricionistas.

3 – O consumidor gourmet:Procura o produto de alta qualidade, orgânico ou não. Os produtos orgânicos o interessam na medida que lhe dão a garantia de um produto fresco e saboroso. Para esse consumidor, o produto processado não pode ter conservantes ou aditivos de qualquer especie. Se orienta pelo sabor e bom gosto, pois está acostumado a degustar e escolher o melhor. É tanto ou mais exigente que o consumidor militante, ainda que por motivos diferentes.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Quem são os produtores orgânicos?


Os produtores orgânicos estão divididos em dois grupos: pequenos produtores familiares, ligados a associações e grupos de movimentos sociais, que representam 90% do total de agricultores, e grandes produtores empresariais (10%), ligados a empresas privadas. Os agricultores familiares são responsáveis por cerca de 70% da produção orgânica brasileira e respondem por parte da renda gerada com esses produtos. Na região sul o sistema orgânico é composto, em sua maioria, de pequenas propriedades familiares. No sudeste a participação é prioritariamente de grandes propriedades.Em relação ao tipo de produto, os grandes produtores se destacam na produção de frutas - citros e frutas tropicais, cana-de-açúcar, café e cereais orgânicos (soja e milho, basicamente) e pecuária orgânica em áreas extensivas, com destaque para o Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Os pequenos produtores são os principais responsáveis pelo abastecimento interno, produzindo hortaliças, frutas e alimentos processados.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Agrotóxicos: o que são e como se classificam.


Os agrotóxicos podem ser definidos como quaisquer produtos de natureza biológica, física ou química que têm a finalidade de exterminar pragas ou doenças que ataquem as culturas agrícolas. Os agrotóxicos podem ser :
>pesticidas ou praguicidas combatem insetos em geral)
>fungicidas (atingem os fungos)
>herbicidas (que matam as plantas invasoras ou daninhas)

Os agrotóxicos podem ser classificados de acordo com os seguintes critérios:

Quanto à finalidade:
>ovicidas (atingem os ovos dos insetos),larvicidas (atacam as larvas), acaricidas (específicos para ácaros),formicidas (atacam formigas).

Quanto à maneira de agir:
>através de ingestão ( a praga deve ingerir a planta com o produto),microbiano (o produto contém microorganismos que atacarão a praga ou o agente causador da doença)por contato ( ao tocar o corpo da praga o produto já faz efeito).

Quanto à origem:
>inorgânicos
>orgânicos.

Os agrotóxicos organo-sintéticos de uso proibido na Agricultura Agroecológica são:

Clorados: grupo químico dos agrotóxicos compostos por um hidrocarboneto clorado que tem um ou mais anéis aromáticos. Embora sejam menos tóxicos (em termos de toxicidade aguda que provoca morte imediata) que outros organo-sintéticos, são também mais persistentes no corpo e no ambiente, causando efeitos patológicos no longo prazo. O agrotóxico organoclorado atua no sistema nervoso, interferindo nas transmissões dos impulsos nervosos. O famoso DDT faz parte deste grupo.

Cloro-fosforados: grupo químico dos agrotóxicos que possuem um éstere de ácido fosfórico e outros ácidos à base de fósforo, que em um dos radicais da molécula possui também um ou mais átomos de cloro. Apresentam toxidez aguda (são capazes de provocar morte imediata) atuando sobre uma enzima fundamental do sistema nervoso (a colinesterase) e nas transmissões de impulsos nervosos.

Fosforados: grupo químico formado apenas por ésteres de ácido fosfórico e outros ácidos à base de fósforo. Em relação aos agrotóxicos clorados e carbamatos, os organofosforados são mais tóxicos (em termos de toxidade aguda), mas se degradam rapidamente e não se acumulam nos tecidos gordurosos. Atua inibindo a ação da enzima colinesterase na transmissão dos impulsos nervosos.

Carbamatos: grupo químco dos agrotóxicos compostos por ésteres de ácido metilcarbônico ou dimetilcarbônico. Em relação aos pesticidas organoclorados e organofosforados, os carbamatos são considerados de toxicidade aguda média, sendo degradados rapidamente e não se acumulando nos tecidos gordurosos. Os carbamatos também atuam inibindo a ação da colinesterase na transmissão dos impulsos nervosos cerebrais. Muitos desses produtos foram proibidos em diversos países também em virtude de seu efeito altamente cancerígeno.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

O que é a Agroecologia?

A Agroecologia é uma nova abordagem da agricultura que integra diversos aspectos agronômicos, ecológicos e socioeconômicos, na avaliação dos efeitos das técnicas agrícolas sobre a produção de alimentos e na sociedade como um todo.Fazendo uma analogia da Agroecologia com uma grande e frondosa árvore, podemos imaginar essa disciplina como o tronco principal, de onde partem diversos galhos, que são as correntes alternativas da agricultura. Essas correntes são as seguintes: orgânica e biológica, biodinâmica, natural e permacultura.


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Como os produtos se transformam em orgânicos certificados?

Os alimentos orgânicos estão em toda parte atualmente. Uma excursão através de uma mercearia se encontrará frutas, vegetais, grãos, leite, carnes que sejam orgânicos. As lojas especializadas vendem roupa e cosméticos orgânicos. Os produtos orgânicos são razoavelmente fáceis de achar. Geralmente, há uma etiqueta de selo orgânico que se vangloriam de que o produto é 100 por cento orgânicos ou feitos com ingredientes orgânicos. Mas como os produtos se transformam em orgânicos certificados? Foram estabelecidos padrões para produtos orgânicos. Encontrar estes padrões é o núcleo do processo orgânico da certificação -- os produtores devem terminar um processo antes de etiquetar um produto como orgânico. Os padrões aplicam-se não obstante se o produto é local ou de um outro país. Os padrões exigem que os fazendeiros produzem alimentos orgânicos com métodos que maximizam a saúde do solo, conservam a água e reduzem a poluição do ar. As explorações agrícolas orgânicas certificadas não podem usar fertilizantes, inseticidas, ou hormônios sintéticos. Mas os fazendeiros não são os únicos que devem cumprir com os padrões orgânicos. As companhias que processam alimentos e produtos devem encontrar regras do governo para tornar-se certificadas. Isto faz todo o processo desde a plantação, processamento, e a entrega certificada. Os restaurantes e os supermercados que vendem os produtos orgânicos não são exigidos para ter a certificação orgânica

Fonte: Margha_nostra

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

10 boas razões para consumir produtos orgânicos


Os produtos orgânicos encontram padrões estritos.

O alimento orgânico é bem equilibrado e forte.

A produção orgânica reduz os riscos para a saúde.

As explorações agrícolas orgânicas respeitam nossos recursos hídricos.

Os fazendeiros orgânicos conservam o solo saudável.

Os fazendeiros orgânicos trabalham em harmonia com natureza.

Os produtores orgânicos são líderes na pesquisa inovativa.

Os produtores orgânicos esforçam-se para preservar a diversidade.

A agricultura orgânica pode ser uma tábua de salvamento para explorações agrícolas pequenas.

Abundância orgânica - Agora cada categoria do alimento tem uma alternativa orgânica.


Fonte:http://www.ota.com

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

País exportou 37 mil toneladas de orgânicos entre agosto de 2006 e setembro de 2008

Produtos agrícolas cultivados sem defensivos químicos vêm ganhando o mercado brasileiro e conquistando outros países. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento indicam que em 2008 mais de 13 mil produtores participaram de atividades de fomento à agricultura orgânica desenvolvidas pela pasta, com incentivo ao uso de insumos e processos adequados para a produção sem agrotóxicos.Segundo informações do ministério, em 2007, as exportações de orgânicos somaram cerca de U$ 12 milhões. De janeiro a setembro de 2008, esse valor chegou a aproximadamente U$ 10 milhões. “Ainda temos três meses de 2008 e com certeza a gente vai superar os U$ 12 milhões exportados no ano anterior. Há interesse do mercado externo em importar soja e seus derivados. A exportação brasileira de produtos orgânicos vem crescendo”, destaca a coordenadora substituta de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Christina Saminez.
Entre agosto de 2006 e setembro do ano passado, o Brasil exportou 37 mil toneladas em produtos orgânicos. A Holanda foi o comprador que adquiriu a maior parcela desse total, 32%, seguida da Suécia, com 15%, e dos Estados Unidos e Reino Unido, com 12% e 7%, respectivamente. Ao todo, as exportações no período equivalem a uma receita de US$ 26,7 milhões. Mais da metade desse valor (56%) corresponde à venda da soja e seus derivados. “A soja foi responsável pelo aumento da produção e exportação de produtos orgânicos. Tem tido mercado para ela”, afirma Tereza.Segundo a coordenadora, mesmo sendo mais caros que os produtos convencionais, a demanda pelos orgânicos têm crescido. “A gente não consegue abastecer o mercado interno de produtos orgânicos. A demanda é muito grande e isso também reflete no mercado externo.”


Fonte :Matéria da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Benefícios dos produtos orgânicos

Foi publicado no Journal of Applied Nutrition no ano de 1993, pesquisa realizada durante 2 anos em Chicago, Estados Unidos, onde ficou comprovada a grande diferença entre o alimento orgânico e o alimento produzido de forma convencional. Foram analisadas várias amostras de maçã, batata, pêra, trigo e milho doce. Comprovou-se que os alimentos orgânicos possuem uma diferença acentuada no conteúdo de alguns minerais essenciais. O artigo “Comparação da Qualidade Nutricional de frutas, hortaliças e grãos orgânicos e convencionais”, publicado no Jornal de Medicina Alternativa e Complementar, relata que produtos orgânicos, em média, contém 29,3% mais magnésio, 27% mais vitamina C, 21% mais ferro, 13,6% mais fósforo, 26% mais cálcio, 11% mais cobre, 42% mais manganês, 9% mais potássio e 15% menos nitratos.Em culturas como espinafre, alface, repolho e batatas, aqueles produtos vindos de agricultura orgânica apresentaram uma superioridade nutricional ainda maior.
Segundo o Engenheiro Agrônomo Jorge Vailati do Instituto Biodinâmico , esta é a maior prova que, mesmo utilizando adubos químicos, não se garante um maior nível de nutriente aos produtos da agricultura convencional. Este fato mostra a superioridade de um sistema orgânico, mais eficiente. A liberdade de crescimento e amadurecimento da planta, garante a nutrição de forma natural de acordo com as leis da natureza do reino vegetal.Com relação à saúde pública, experimentos demonstraram que animais alimentados com produtos orgânicos apresentam melhor crescimento, saúde reprodutiva e recuperação.

Agrotóxicos vêm causando infertilidade e câncer

A infertilidade humana tem relação direta com o uso de agrotóxicos, segundo pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz. Ao serem analisados espermogramas,o resultado sugere uma tendência de queda na quantidade e qualidade dos espermas dos homens e dos animais mamíferos.Além de ter crescido o número de pessoas que fazem tratamento para fertilização também foi diagnosticado um número excessivo de crianças com má formação, doenças congênitas e abortos.Outro alerta é com relação ao crescimento do índice de pessoas com câncer, relacionado ao uso de agrotóxicos, através da alimentação. “Não são só as pessoas que manipulam podem adquirir doenças causadas pelo uso de agrotóxico, mas toda a população”, afirma pesquisador da Fiocruz. Diversos tipos de câncer têm aumentado, como o de próstata, testículos, mama, ovário e tireóide.


segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Reserva Fólio:Cosméticos orgânicos e naturais

Reserva Fólio nasceu em 2003, quando Simone Valladares decidiu unir sua longa experiência na área de cosméticos naturais ao amor que sempre teve ao meio ambiente e à preocupação com sua preservação.Pertencendo a uma família que atuava há 37 anos na área de cosméticos naturais, Simone buscou desenvolver uma linha independente de produtos que pudesse ser feita com matérias-primas 100% naturais, aproveitando a riqueza da biodiversidade brasileira e que viessem de projetos comprovadamente responsáveis com o meio ambiente e social. Além disso,
Além disso, ela via neste projeto uma forma de despertar uma nova consciência nas pessoas. Foram pesquisados os benefícios de várias matérias-primas brasileiras, como os óleos e as manteigas amazônicas, como também óleos de plantas vindas da Ásia e Europa. Chegou-se a preciosas formulações de cosméticos que vêem sendo muito apreciadas por sua grande eficiência dermatológica. Mas o grande orgulho destas conquistas é saber que a maior parte destas matérias-primas possui qualidade orgânica certificada. Hoje a Reserva Fólio é composta por uma coleção de produtos certificados conforme o programa NOP e/ou IBD orgânico, com qualidade orgânica e natural e tem seu trabalho reconhecido como uma referência de inovação, qualidade e seriedade.

Filosofia:

A Reserva Fólio é uma empresa de cosméticos orgânicos e naturais certificada, que percebe a vida na sua totalidade e unicidade. Ela tem consciência de que beleza é conseqüência da harmonia entre corpo, mente e alma, sempre em sintonia com o meio ambiente e a sociedade. Partindo desta premissa a Reserva Fólio desenvolveu duas linhas de cosméticos, orgânica e natural, certificada conforme o programa NOP e/ou IBD orgânica. Ela emprega matérias-primas 100% naturais e em grande parte originárias da biodiversidade brasileira como a castanha-do-pará, a andiroba, o cupuaçu, babaçu, etc., provenientes de projetos com responsabilidades social e ambiental comprovadas. A empresa tem a filosofia de unir qualidade do produto à consciência de sua cadeia produtiva.
As formulações da Reserva Fólio recebem os valiosos óleos e manteigas brasileiras, riquíssimos em anti-oxidantes, vitaminas, minerais, conferindo-lhe alto valor dermatológico. Além disso, a aromatização e conservação da linha são feitas com óleos essenciais naturais, o que lhe proporciona muitos benefícios, inclusive o aromaterápico. Não há utilização de substâncias derivadas de petróleo, química sintética ou de origem animal.
Devido ao sentimento ambientalista que norteia a Reserva Fólio, a empresa não desenvolve testes em animais e participa de projetos educativos que buscam preservar ou mesmo recuperar áreas desmatadas próximas à sua localização.A Reserva Fólio é comprometida com a alta qualidade de seus produtos, mas sempre atuando de forma consciente. Ela considera seus produtos mais que cosméticos, uma visão do mundo.


Fonte:http://www.reservafolio.com.br

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Econatura:empresa de sucos de uva orgânico

A empresas iniciou suas atividades em 1979 com o plantio de 1.5 hectares de parreiras da variedade concord numa área de propriedade de Telvi Piccinini , na Linha Marechal Floriano, zona rural do município de Roca Sales /RS. Juntamente com o Sr. Telvi outros produtores da localidade também aderiram a idéia, pois na época havia um interesse muito grande por parte de uma empresa multinacional que prometera adquirir toda a uva produzida. Logo que estes parreirais começaram sua produção houve uma crise no setor vitivinícola e o preço pago ao produtor era tão baixo que não cobria os custos de produção da uva.Na tentativa de preservar o investimento os viticultores iniciaram um processo de redução de custos eliminando todos insumos químicos, e passando assim a aproveitar todos os recursos existentes dentro da propriedade. Iniciou-se nesta fase a produção sem a utilização de agrotóxicos e descobriu-se que a quantidade da produção era a mesma e que a uva produzida sem agrotóxicos era mais gostosa.Tendo-se um grupo de produtores familiarizados com o cultivo ecológico despertou a idéia de agregar mais valor a uma matéria prima tão nobre que não estava sendo valorizada pelas grandes empresas do setor. É nesta fase no ano de 1993 que juntou-se o trabalho do biólogo Luiz Postingher iniciando trabalho de pesquisa sobre métodos e processos para elaborar suco de uva.Passados alguns anos e após muitos experimentos criou-se uma metodologia que permite a elaboração do suco de uva sem a adição de nenhum outro componente senão a uva. Nos primeiros anos foram elaboradas pequenas quantidades que eram consumidas pelas famílias conhecidas e amigos. E no passar dos anos foram aperfeiçoando o processo aumentando a produção de toda a cadeia produtiva possibilitando assim que um número maior de consumidores possam usufruir dos benefícios que a natureza nos oferece.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...