terça-feira, 25 de junho de 2013

Filme catarinense mapeia a produção de alimentos orgânicos no país


O primeiro documentário sobre a produção de alimentos orgânicos no Brasil é catarinense. Há três anos angariando recursos para a sua realização e outros dois para a pesquisa e para colocar o pé na estrada,o Brasil Orgânico estreou recentemente na terra da produtora Contraponto, em Florianópolis, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente.Durante um ano, a equipe viajou para os seis biomas do país para gravar imagens e entrevistas com especialistas e com agricultores que, da Amazônia até a Mata Atlântica, optaram por cultivar alimentos orgânicos, segmento da agricultura que mais se desenvolve no país, com crescimento de 20% ao ano. Lícia Brancher, uma das diretoras do documentário e formada em Agronomia, ressalta que a intenção era mudar o foco da discussão sobre os produtos sem agrotóxicos, apresentando ao consumidor as experiências positivas de quem investe no alimento independente da região em que se encontram. 
— Queríamos desviar o olhar sobre a contaminação que as produções tradicionais causam e mostrar que é possível produzir orgânicos na agricultura familiar e em larga escala também — observa Lícia. 

Santa Rosa de Lima é a referência de SC na produção 

Entre as histórias gravadas para o documentário, está a de Leonilda Baumann, de 45 anos, agricultora em Santa Rosa de Lima, no Sul do Estado. Junto com a família, ela cultiva mel de abelha para a venda, além de legumes, frutas e hortaliças para o consumo da pousada que administra para receber os cerca de 50 turistas interessados em acompanhar o dia-a-dia do agricultor aos finais de semana. Leonilda afirma que a procura pelos alimentos orgânicos tem crescido em SC, mas que a rentabilidade para o agricultor familiar só é possível com a ajuda de uma associação ou cooperativa. 
— É um bom complemento trabalhar com a venda de produtos orgânicos junto com o turismo rural. A produção de mel tem sido viável porque trabalhamos com a associação (dos Agricultores Ecológicos das Encostas da Serra Geral). Antes, eu não conseguia vender tudo o que produzia e, agora, vendo tudo e ainda falta mercadoria 
— afirma a produtora.Apesar de o Brasil ser o líder mundial no uso de agrotóxicos na alimentação, dado que é divulgado no início do documentário, o mercado em potencial dos orgânicos no país dá mostras de que investir em produção livre de pesticidas pode manter a nova geração no campo. Quando Leonilda era criança, sua família trabalhou com a produção de fumo e, quando chegou a sua vez de administrar a terra, optou por plantar alimentos livres de agrotóxicos 
— a mãe dela faleceu aos 49 anos por causa do produto.Seguindo os passos da agricultora, o filho de Leonilda, Jackson, acompanha a mãe no trabalho e não pensa em seguir outra profissão. No ano passado, aos 19 anos, ele viajou a quatro cidades da França para conhecer como funcionava o turismo rural por lá e adaptar as iniciativas positivas em sua propriedade.
— É uma realidade diferente, mas o trabalho desenvolvido é muito próximo. A diferença é que lá existe a venda direta dos produtos para os consumidores, porque as cidades rurais são localizadas perto dos grandes centros. Isto é bem interessante, porque hoje pagamos muito caro no Brasil pela cadeia de distribuição dos alimentos. 

Fonte: http://diariocatarinense.clicrbs.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...