segunda-feira, 31 de maio de 2010

Projeto pretende colocar leite orgânico no mercado


A colocação no mercado consumidor de um leite orgânico produzido por agricultores familiares do oeste do Estado, em bases técnicas do sistema agroecológico, é uma das metas do projeto Redes de Referências. Desenvolvido há 11 anos pelo Governo do Paraná, participam extensionistas do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e produtores rurais. O engenheiro agrônomo Sérgio Luiz Carneiro, extensionista e integrante da coordenação estadual do projeto, na Emater, e o pesquisador Rafael Fuentes Llanillo do Iapar, comentaram que o trabalho nas propriedades que adotam princípios agroecológicos pretende melhorar a renda e a qualidade de vida no campo.
No assessoramento técnico da produção do leite orgânico há uma equipe coordenada pelo pesquisador do Iapar, Márcio Miranda, e dos extensionistas da Emater, Urbano Teobaldo Mertz e Márcia Vargas Toledo, executando o subprojeto Geração de Referências para Consolidação da Agricultura Orgânica do Oeste do Paraná, com a participação multidisciplicar e interinstitucional da Seab, Unioeste, Universidade Sem Fronteiras / Seti, cooperativa Capas, Biolabore e Itaipu Binacional. O projeto começou com a caracterização regional, tipificação, escolha dos sistemas produtivos e seleção das propriedades de referências. Na semana passada, em Marechal Cândido Rondon, 20 participantes se reuniram para analisar os indicadores diagnosticados por bolsistas e da experiência adquirida da assistência técnica e dos próprios agricultores colaboradores.
Como decorrência, planejaram as ações que possam promover a melhoria dos sistemas agroecológicos da produção leiteira regional, buscando definir os casos típicos, que darão subsídios às difusões técnicas, demandas de pesquisas e políticas públicas. Dois sistemas foram analisados na reunião: um composto de cinco agricultores mais tecnificados com produção acima de 3,7 mil litros de leite mês e o outro, de cinco com menor tecnificação e produção abaixo de 2,2 mil litros mês, passando por enfoques de qualidade de vida, categoria social, diversificação das atividades produtivas, uso e ocupação do solo das propriedades rurais e, principalmente ênfase em todos os componentes relacionados a produção leiteira.
Dos problemas listados, tomam corpo e se tornam importantes aqueles que elevam os custos de produção, ou seja: pastagem de baixa qualidade; dependência de insumos externos para alimentação do rebanho; baixa produtividade leiteira do rebanho, seja pela falta de alimento, qualidade genética do rebanho, sanidade e conforto dos animais. Fazem parte ainda as questões de qualidade do leite ordenhado em instalações e equipamentos inadequados, falta de recursos financeiros para investimentos e até mesmo a inexistência de estrutura na região para processamento de leite orgânico.
Segundo o engenheiro agrônomo Urbano Mertz, da Emater de Marechal Cândido Rondon, integrante das Redes, desde seu retorno do curso de mestrado em Desenvolvimento Rural, no ano 2000, os participantes do leite orgânico são 24 produtores colaboradores das Redes envolvendo mais de uma dezena de municípios da região de Toledo e Cascavel. Adotando diferentes estágios e quantidade de princípios técnicos agroecólogicos e na produção leiteira existem 10 casos típicos acompanhados há cinco anos. Urbano cita como referência o casal Vilson e Beatriz Derlan, da Linha Doutor Ernesto, município de Toledo, onde na área de 7,26 hectares, com piqueteamento de pasto tifton e pioneiro criam 14 vacas em lactação e mais cinco novilhas, produzindo a média de 8,8 litros de leite por dia, no custo médio de produção de R$ 0,19 o litro.

Utiliza homeopatia para controle da mastite, carrapato e melhoria da fertilidade das fêmeas e obtém qualidade no leite ordenhado com baixo índice de células somáticas, sem descuidar da produção de olerícolas, soja e milho - lavouras estas em conversão e liberar área na formação de pasto. O pesquisador Miranda aponta a existência de 900 propriedades adotadoras de procedimentos técnicos orgânicos no Oeste do Paraná e garante que “a evolução no leite tem o agravante da limitante de mercado que ainda não remunera e nem diferencia a produção leiteira agroecológica”.

domingo, 30 de maio de 2010

No Reino Unido, político e ativista verde quer 2 milhões de libras para investimentos em produtos orgânicos

Zac Goldsmith's -Fotografia: David Levene

Zac Goldsmith, político do partido conservador de Richmond Park e ativista verde, quer um orçamento anual de 2 milhões de Libras para ser gasto, em alimentos orgânicos e sustentáveis no setor público, afirma o jornal The Guardian. As propostas se aplicam a todos os alimentos utilizados pelos conselhos, escolas, lares, bem como as prisões e as forças armadas. Um grupo de trabalho do Partido Conservador, liderado pelos novos integrantes do parlamento, exorta o governo em um relatório inédito final para revisão de aquisição de alimentos do setor público para impulsionar a agricultura britânica, produção local dos alimentos, e a melhoria de sua qualidade. Alterações podem ter custo-neutro ou mesmo economizar dinheiro, de acordo com o relatório.
O jornal afirma ainda que as iniciativas voluntárias nos últimos anos para impulsionar a recepção de alimentos sustentável falharam, o dinheiro dos contribuintes tem sido desperdiçado e de que uma forte liderança do governo central é agora necessária. O Sr. Goldsmith afirma que vai acompanhar o problema e que ele gostaria que essa proposta se torne uma política pública.Três hospitais de Cornwall servem quantidades crescentes de produtos frescos e orgânicos, produzidos localmente para os pacientes, visitantes e funcionários, enquanto em East Ayrshire 30% dos alimentos na merenda escolar local é orgânica, 70% são provenientes de fontes locais e 90% não é processado.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 29 de maio de 2010

O mercado mundial de algodão orgânico cresceu 35% em 2009



O ano de 2009 foi dinâmico para o setor do algodão orgânico em termos de vendas globais, no varejo de vestuário de algodão orgânico e produtos têxteis para casa que atingiu cerca de 4,3 bilhões de dólares, segundo relatório do Organic Cotton Market Report, o que representa um aumento de 35% a partir dos 3.200 milhões dólares do mercado em 2008. Isso mostra poucas mudanças dos 40% da taxa de crescimento média anual do mercado de algodão orgânico sofreu entre 2001-2009, o relatório, também demonstra um crescimento considerável em um momento em que o total global de vestuário e têxteis de uso doméstico do mercado diminuiu cerca de 7% a partir de 2008. Empresas apresentaram um crescimento significativo de seus programas de algodão orgânico e uma maior adoção de normas para rastreabilidade do produto orgânico e de processamento têxtil sustentável.
As principais marcas de algodão orgânico, utilizadores e varegistas a nível mundial em 2009 foram a C & A (Bélgica), Nike, Inc. (E.U.A.), Walmart (E.U.A.), Williams-Sonoma, Inc. (E.U.A.,), H & M ( Suécia), Anvil Knitwear (E.U.A.), Coop Switzerland, Greensource Organic Clothing Co.. (E.U.A.), Levi Strauss & Co. (E.U.A.), Target (E.U.A.), Adidas (Alemanha) e Nordstrom (E.U.A.), de acordo com os resultados de questionários e entrevistas. LaRhea Pepper, co-autor do relatório, afirmou que muitas pessoas pensavam que com a recessão significaria o fim dos orgânicos, mas o mercado reagiu de forma contrária, os consumidores continuaram a apoiar o uso de algodão orgânico e outras fibras sustentáveis. O relatório mostrou que marcas e varejistas tinham mantido ou mesmo ampliado os seus compromissos para tornar suas linhas de produtos mais sustentáveis. Segundo o relatório os projetos no mercado global de algodão orgânico vão crescer 20 a 40% tanto em 2010 quanto em 2011.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sexta-feira, 28 de maio de 2010

A empresa NP Nutra lança suco em pó orgânico de romã

Produtor ingredientes naturais,a NP Nutra, oferece agora suco de romã em pó com certificação orgânica, adicionando à sua gama crescente de produtos orgânicos certificados. Com vendas de produtos orgânicos agora superando os alimentos cultivados convencionalmente, a indústria está observando uma demanda sem precedentes para produtos cultivados organicamente. Um relatório de mercado da Organic Trade Association (OTA) constatou que o setor de orgânicos tem continuado a crescer a um ritmo mais rápido que a indústria alimentícia como um todo. O Diretor Executivo da OTA Christine Bushway disse: "Estes resultados são indicativos de que, mesmo em tempos difíceis, os consumidores compreendem os benefícios que oferecem produtos orgânicos e fará outros cortes antes de desistir de produtos que valorizam". Thomas Walton, Diretor da NP Nutra concorda: "Nós descobrimos que a demanda por produtos orgânicos tem aumentado e isso é uma grande notícia para os clientes, os agricultores e o meio ambiente". Com uma pontuação ORAC muito alta (uma medida da atividade antioxidante), a romã é uma rica fonte de polifenóis antioxidantes, taninos e antocianinas. Os níveis elevados de antioxidantes da romã ajudam o sistema imunológico a manter níveis saudáveis de colesterol. A investigação descobriu que a romã pode ajudar no fluxo de oxigênio e sangue para o coração e estimular a pressão arterial normal.
"O suco em pó da NP Nutra tem sido usado em muitas bebidas funcionais e em fórmulas substituindo refeições e o seu homólogo orgânico promete ser um componente popular em muitos sucos orgânicos", disse Thomas Walton da NP Nutra. A NP Nutra fabrica extratos e ingredientes naturais de matérias-primas provenientes de fontes em todo o mundo.



Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 27 de maio de 2010

As empresas de cosméticos estão melhorando a sua imagem reduzindo seus impactos ambientais


A indústria da beleza está melhorando a sua imagem através de investimentos em uma série de iniciativas de uso consciente de materiais e de sustentabilidade. As empresas de cosméticos têm recebido críticas por práticas antiéticas empresariais e não-ecológicas. Uma pesquisa realizada pelo Organic Monitor concluiu que a indústria está melhorando a sua imagem, com algumas empresas de produtos de beleza e empresas de ingredientes se reformulando e apresentando as suas credenciais verdes e éticas. No seu relatório de novas perspectivas estratégicas, o Organic Monitor avalia iniciativas de Sustentabilidade na indústria da beleza. A pesquisa constata que a maioria dos investimentos está sendo utilizada para reduzir o impacto ambiental dos produtos cosméticos, utilizando formulações mais verdes e embalagem sustentável.
As embalagens estão recebendo grande interesse devido ao seu alto impacto ecológico, as empresas estão voltando seus olhares para os plásticos biodegradáveis, materiais reciclados e formas inovadoras de reduzir as embalagens. O relatório apresenta estudos de caso de empresas que utilizam novas técnicas, como aquelas que usam novos materiais de embalagem, tais como biopolímeros e bambu. A principal conclusão é que as pessoas singulares e empresas de cosméticos orgânicos - muitos dos quais têm sustentabilidade construídos em seu DNA corporativo - estão liderando o caminho em termos de responsabilidade social e iniciativas de sustentabilidade.
O relatório destaca as realizações da empresa brasileira Natura, que defende as causas ambientais, desde a sua formação em 1969. Foi a primeira grande empresa de cosméticos que buscou tornar-se com carbono neutro, com compensação de suas emissões de carbono através do reflorestamento de espécies nativas. A Beraca, outra companhia brasileira, também é elogiada por seus projetos de investimento social e biodiversidade na Amazônia. O relatório concluiu que, embora as empresas de produtos naturais e orgânicos são normalmente as pioneiras, as grandes empresas convencionais estão roubando os holofotes de uma comunicação mais agressiva de sua responsabilidade social e atividades de sustentabilidade. Através da utilização de estudos de caso, o Organic Monitor destaca os vários métodos de redução dos impactos ambientais e sociais de produtos cosméticos e ingredientes.
A importância da ética e do comércio justo está em destaque, com um número crescente de empresas de cosméticos naturais e ingredientes investindo em projetos em países em desenvolvimento. No entanto a certificação é um grande obstáculo, com muitas empresas preferindo tomar a rota de não-certificada, devido à burocracia e as limitações das normas de comércio justo. A Filantropia corporativa é outra área que está se tornando importante para algumas empresas de beleza que desejam investir na sociedade.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Os preços mais altos ainda são um problema para as vendas de alimentos orgânicos na Finlândia

Comerciante finlandês Janne Rinne

As vendas de alimentos produzidos organicamente tem aumentado na Finlândia, mesmo no norte do país na capital da Lapónia, Rovaniemi.Janne Rinne, um comerciante na cidade, diz que há centenas de diferentes produtos disponíveis, mas os preços elevados para esses produtos fizeram com que eles vendam bem menos do que os produtos convêncionais.De acordo com Rinne há, no entanto, a demanda por alimentos orgânicos.
"Eles vendem relativamente bem, e o volume de vendas tem aumentado de forma gradual e continuamente. Eles são adquiridos todos os dias", disse Rinne.No entanto, ele também aponta que ele tem que analisar cuidadosamente o quanto ele compra, e que tipo de seleção que ele mantém em estoque."O maior freio nas vendas de produtos orgânicos ainda é o preço. Infelizmente, os produtos orgânicos são mais caros do que outros produtos. Os preços mais altos ainda seguram um pouco as vendas", observa Rinne.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 25 de maio de 2010

Na França ocorre um crescimento acentuado da produção orgânica


Um aumento notável foi observado na produção de orgânicos francês em 2009, segundo dados divulgados em 19 de maio pela Agência Bio, Agência Francesa para a agricultura Orgânica.
Em 2009, 3.769 novas fazendas foram certificadas para a produção orgânica, com um aumento médio de mais de 300 fazendas em cada mês. No final de 2009, na França, havia 16.446 fazendas orgânicas, um aumento de 23,7% sobre 2008, e 677.513 hectares de terra orgânica, um aumento de 16% sobre 2008. No final de 2009, a percentagem de explorações agrícolas biológicas foi estimada em 3,14% das explorações francesas e as superfícies orgânicas em 2,46% da superfície agrícola utilizada (SAU). Em valor, as contas do mercado orgânico perfaz 1,9% do mercado total de alimentos francês, com um volume de negócios de 3 bilhões de euros. O volume de negócios registrou um aumento de 19% entre 2008 e 2009, e os valores iniciais para 2010 confirmam esta tendência.
Quanto ao consumo, o valor das vendas de produtos orgânicos é estimado em 3 bilhões de euros em 2009, com um aumento de 400 milhões de euros face a 2008. As primeiras estimativas para 2010 confirmam esta tendência: no primeiro trimestre de 2010, as vendas de produtos orgânicos continuaram a crescer. Nas grandes e médias empresas varejistas, as vendas de produtos orgânicos são cada vez maiores: 35% para os líquidos orgânicos, principalmente sucos de frutas, 20% para os produtos frescos (frutas e legumes frescos e padaria) com uma origem em várias linhas, tais como produtos congelados, restaurantes, ETC.., e 18% para produtos de mercearia (sopas, molhos, etc.).O consumo de orgânicos também estão aumentando em cantinas, cujas compras dobrou em um ano, a partir de € 44.000.000 em 2008 para 92 milhões em 2009.O relatório completo está disponível em francês aqui.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Os produtos orgânicos na Região do Golfo


O mercado de orgânicos na região do Golfo é estimado em cerca de 300 milhões de dólares americanos com o Reino da Arábia Saudita, sendo o maior consumidor na área de alimentos, o que representa quase 90% do setor, de acordo com a Mena Report. Atualmente, existem mais de 3.000 pontos de venda de produtos orgânicos e naturais no Golfo, e espera-se que com as prioridades de saúde e aumento da segurança, este número ainda cresça mais. A Arábia Saudita lidera os esforços regionais para continuar a crescer o negócio de alimentos orgânicos - o setor privado do país já estabeleceu o Organic Farming Association para supervisionar o desenvolvimento de alimentos orgânicos.
A Arábia Saudita investiu cerca de 267 milhões de dólares em 2009 em alimentos orgânicos. A Al Watania Agrícola, com sede em Riyadh, pretende ajudar o país a ter uma posição pioneira em alimentos orgânicos e indústria de produtos naturais da região. De acordo com Ibrahim Abouabat, gerente geral da Al Watania, a empresa provou a mais de uma década que existe um nicho forte para os alimentos orgânicos na região.Os produtos orgânicos da Al Watania estão também na Europa e Ásia, bem como no Carrefour da Arábia.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 23 de maio de 2010

Café orgânico no Peru


O governo regional de Junín abriu uma rota turística que mostra a história do café na selva central, do Peru. A primeira parada é onde o café é plantado de uma forma suave e sem produtos químicos. Na propriedade Monterrico, muitas variedades de café pode ser vista. A Chanchamayo Highland Coffee é uma empresa que recolhe, processa e exporta o café selecionado para a Alemanha, Suíça, Finlândia, Dinamarca e Itália. A província de Satipo é considerada uma das melhores para o cultivo do café, porque está entre 1.300 e 1.900 metros acima do nível do mar.
O governo regional de Junín tem prosseguido a implementação de um programa de produção orgânica de café nesta área. O objetivo é fazer com que San Martin de Pangoa seja o primeiro produtor de café orgânico no país. Para isso, um centro de recolha na cidade de Santa Rosa em Alto Kiatari foi instalado. De acordo com o Conselho Nacional do Café, o Peru é o maior exportador de café orgânico no mundo. Os principais clientes do Peru são a Alemanha (41%), Bélgica (17%) e Países Baixos (7%). A região de Junin aumentou recentemente a sua produção em 27%.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 22 de maio de 2010

Tunísia tem seu foco sobre produtos orgânicos


Nos dias 10 à 16 de maio a Tunísia realizou a Semana dos Produtos Orgânicos, organizada pelo Ministério da Agricultura, Recursos Hídricos e da Pesca, em parceria com a União Tunisiana para Agricultura e Pesca (UTAP). Durante o evento, foi lançado e adjudicado o selo "Bio-Tunísia" para os produtos orgânicos tunisianos que atendem aos padrões e especificações internacionais. O selo que será concedido em uma primeira fase, ao azeite, tâmaras e os cereais, vão ajudar a melhorar o posicionamento dos produtos da Tunísia nos mercados locais e externos. Durante uma conferência de imprensa realizada em Túnis, o Sr. Mohamed Chokri ayachi, Diretor Geral da Agência de Promoção de Investimento Agrícola (APIA), disse que a criação deste selo é parte do fortalecimento dos produtos agrícolas da Tunísia, apontando que os produtos, tais como tâmaras, azeitonas e algumas frutas são consideradas produtos orgânicos. Ele lembrou que a Tunísia está em segundo lugar na África e em todo o mundo está em 24 º lugar entre os 141 países na produção da agricultura orgânica. Em Junho de 2009 a Tunísia recebeu credenciamento como exportador de orgânicos, tornando-se o oitavo país acreditado neste setor no mercado da União Européia.
As áreas dedicadas à agricultura orgânica na Tunísia são estimadas em 300 mil hectares, com uma colheita estimada em mais de 170 mil toneladas. O setor inclui mais de 1.800 agentes (produtores, processadores e exportadores), enquanto os investimentos atingem mais de 10 milhões de dinares por ano. O número de projetos adaptados entre 2001-2009 atingiu 52, com investimentos de 81, 3 milhões de dinares, além de doações estimadas em 12 milhões de dinares.
A Tunísia exportou cerca de 13.300 toneladas de produtos orgânicos em 2008 com um valor de 64 milhões de dinares, em comparação com 1100 toneladas em 2001, com um valor não superior a 3 milhões de dinares.



Fonte:http://allafrica.com/
Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Batalha iminente para a regulamentação da UE sobre os vinhos orgânicos


Um conflito é esperado entre os 27 Estados-Membros sobre o plano da Comissão Européia para regular a produção de vinho orgânico da União Européia. As posições estão muito distantes, especialmente sobre os sulfitos.
A proposta foi analisada pela Comissão de Regulamentação da UE, e confirmou que a UE-27 estão fortemente divididos sobre a redução da presença de sulfitos no vinho orgânico em relação ao que Bruxelas propõe: que é de 100 miligramas por litro para os vinhos tintos e 150 para os vinhos brancos.
No vinho convencional permiti-se a quantidade limite de 150 miligramas para os vinhos tintos e 200 para os vinhos brancos. Embora a parte Central e os países do Norte da Europa pedem maior presença de sulfitos, os países do Sul, como a Itália pedem uma menor quantidade de sulfitos no vinho orgânico de qualidade para ser muito distinta da do produto convencional. A Itália, em particular pede para definir um menor teor de sulfitos, para não induzir em erro os consumidores, quando decidem consumir produtos orgânicos, como sublinhou o ministro da Agricultura italiano Giancarlo Galan.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Alimento orgânico para resgatar, construir e afirmar

Angela Escosteguy e Juarez Tosi (E) e Juarez Pereira (D)
no café orgânico hoje na Brasserie


Se um bom dia começa com um bom café da manhã, as perspectivas são ótimas para os jornalistas e demais convidados que estiveram hoje no lançamento da VI Semana do Alimento Orgânico, na Tortaria Café Brasserie, onde foi oferecido um café da manhã orgânico, ou seja, ecologicamente equilibrado. O convite foi da Comissão Estadual da Produção Orgânica no Rio Grande do Sul, CPOrg-RS, juntamente com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, por meio da Superintendência Federal de Agricultura no Rio Grande do Sul.
O superintendente Francisco Signor disse que são eventos como a VI Semana do Alimento Orgânico, que acontece em todo o Brasil entre 24 e 30 de maio, que reafirmam o compromisso de avançar rumo à conscientização de mais pessoas para a importância de viver de acordo com a natureza e, rumo à certificação dos produtos. Signor lembrou da expectativa de que se confirmasse a exigência de certificação em todo o País a partir de 2010, conforme fora estabelecido pelo governo. Porém, mesmo tendo sido feito o adiamento por um ano, foi iniciado o credenciamento no Sistema pelos produtores e pelas organizações. Assim, a partir de janeiro de 2011, exceto aqueles produtos vendidos diretamente pelos agricultores familiares, todos deverão levar o selo do Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade Orgânica (Sisorg).


Uma atividade de esperança


Conforme a coordenadora da CPOrg/RS, Angela Escosteguy, o nosso Estado é o mais avançado na temática. O que fica evidenciado também pela realização da VI Semana do Alimento Orgânico, que terá 152 eventos em mais de 40 cidades do Rio Grande do Sul e 60 eventos apenas em Porto Alegre. Representantes da Feira dos Agricultores Ecologistas de Porto Alegre prestigiaram o café orgânico e contaram as vantagens da adesão a esta causa. Para Juarez Pereira, da Banca do Arroz, “a agricultura orgânica é uma atividade de esperança porque faz um resgate, uma construção e uma afirmação”. Conforme explicou, quando a produção é ecológica ocorre um resgate cultural, de saberes e de sabores; ocorre também a construção de canais de comercialização e a criação de novas relações; e ainda, acontece a afirmação de um modelo, a comprovação de que é possível a permanência das famílias no campo. “Quando falamos com os agricultores orgânicos percebemos o desejo de continuar, o que é diferente quando falamos com os agricultores químicos. Nós trabalhamos em um ambiente de boa vontade, onde o ser humano e a natureza atuam de forma integrada, fazendo com que o alimento que fornecemos à cidade seja fruto desta relação equilibrada,” completou.
Flávia Ryzewski, do Sítio Nahyr, apresentou o Guia da Feira, em comemoração ao aniversário da Feira dos Agricultores Ecologistas, que completa 21 anos em outubro – o que também confirma o pioneirismo do Estado na produção orgânica e na consciência ecológica. Ali pode-se encontrar os contatos dos feirantes e a localização das bancas. Ela adiantou que no próximo sábado haverá a distribuição deste Guia e também de sementes orgânicas aos clientes.


Multiplicação de informações


As entidades membros da CPOrg/RS dividem-se entre governamentais e da sociedade civil. O NEJ-RS que está na gestão 2009/2011 e é representado pelo diretor de Comunicação, Juarez Tosi, participará da VI Semana do Alimento Orgânico fazendo a cobertura jornalística do maior número possível de eventos. Do Banrisul, a representante na Comissão é Simone Portela de Azambuja, que adiantou que o banco fará a doação de sementes orgânicas e mudas a mais de 30 municípios durante a VI Semana do Alimento Orgânico, além de distribuir folders com ecodicas e informações sobre as ações do banco na área socioambiental. Ela contou que a adesão da agricultura familiar à produção orgânica é facilitada pelo Pronaf através de diversas linhas, inclusive, para a geração de energia renovável na propriedade. E considera fundamental a divulgação e multiplicação destas e de todas as informações possíveis sobre a importância da agricultura orgânica a toda a sociedade.
Também colaborando com a multiplicação destas informações, está Regina Dossin, a proprietária da Brasserie. Ela contou que, ao completar dez anos de atuação em 2008, o restaurante aderiu à proposta ecológica e oferece no seu cardápio as refeições feitas com produtos orgânicos, além de convidar o cliente a refletir sobre a importância de ter uma alimentação que, desde a sua origem, seja equilibrada em todas as suas relações: de produção, de nutrição, de trabalho, de transporte, de descarte dos resíduos, etc. Ela que realiza palestras no local, inclusive explicando o funcionamento de uma composteira, afirma que o avanço rumo a uma alimentação orgânica, vai depender muito do consumidor. “É uma questão cultural, um processo através do qual o cliente passa a entender que oferecer produtos orgânicos é um ato de respeito a ele e não o contrário,” disse, lembrando que a característica principal dos orgânicos: a sazonalidade.




Fonte:Por Eliege Fante - Redação da EcoAgência

quarta-feira, 19 de maio de 2010

O maior produtor, mas o menor consumidor

A Espanha é hoje o país líder na Europa para a produção agrícola orgânica certificada, mas registra o pior resultado, para o consumo interno de produtos orgânicos. A "situação" preocupante foi o cerne de uma reunião realizada em Almeria. 140 especialistas se reuniram para analisar a situação do mercado espanhol de orgânicos e implementar medidas corretivas. A Espanha, líder da Europa para as áreas cultivadas organicamente, está enfrentando uma das mais negativas batalhas no front doméstico. De acordo com a SEAE (Sociedad Española de Agricultura Ecológica), cada consumidor espanhol gasta cerca de 7,7 € por ano em alimentos certificados, em comparação com uma média européia de 30 euros. Um valor negativo, que certamente não é um bom cartão de visita para o maior exportador de frutas e legumes orgânicos na Europa atualmente no mercado.
Há necessidade de se concentrar também na frente interna, desenvolvendo com as organizações algumas "técnicas" para promover iniciativas e estratégias.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 18 de maio de 2010

A Associação dos Ortopedistas Traumáticos (OTA) dos E.U.A encoraja os consumidores a escolher frutas e legumes orgânicos


Seguindo de perto no calcanhar do Relatório do Painel presidencial sobre o Câncer, exortando os consumidores a escolher alimentos cultivados sem pesticidas ou fertilizantes químicos, antibióticos e hormônios de crescimento para ajudar a diminuir a sua exposição a agentes químicos que podem aumentar o risco de contrair câncer, um estudo publicado na revista Pediatrics conclui que a exposição a pesticidas organo fosforados em níveis comum entre crianças no E.U.A. pode contribuir para a prevalência do déficit de atenção e da hiperatividade (TDAH) nessas crianças.
"Estudos têm mostrado cada vez mais a importância de minimizar a exposição das crianças pequenas para até mesmo níveis baixos de pesticidas químicos. Este estudo acrescenta que a riqueza do conhecimento e de armas aos pais com informações, ajudam a reduzir o consumo de seus filhos de pesticidas ", disse Christine Bushway, Diretora Executiva da OTA, apontando que o uso de organo fosforados são proibidos na produção orgânica.
O artigo relatou os resultados de um estudo que examina a associação entre a concentração urinária de metabólicos de inseticidas organo fosforados e TDAH em crianças de 8-15. Usando dados do National Health and Nutrition Survey Exame, pesquisadores liderados por Maryse Bouchard, uma pesquisadora do Departamento de Saúde Ambiental e Ocupacional da Universidade de Montreal, analisou os níveis metabólicos de pesticidas na urina de 1.139 crianças e constatou que crianças com níveis médio acima do ideal tiveram aproximadamente o dobro de chance de serem diagnosticados com ADHD. Este é o maior estudo deste tipo até agora, lembrando aos consumidores que organo fosforados foram originalmente desenvolvidos para uso em armas químicas, porque eles são conhecidos por serem tóxicos para o sistema nervoso. Compostos organo fosforados são utilizados na agricultura para matar pragas. "A produção e processamento de alimentos orgânicos é o único sistema que utiliza a certificação e inspeção para verificar se esses produtos químicos não são usados", acrescentou Bushway. "Aqueles que procuram minimizar sua exposição a esses produtos químicos podem olhar para o selo de certificação de produtos orgânicos onde eles compram." O resumo do trabalho publicado na revista Pediatrics está acessível aqui, em Inglês.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 17 de maio de 2010

O setor de orgânicos da Nova Zelândia teve um enorme crescimento nos últimos cinco anos


O setor de orgânicos da Nova Zelândia teve um enorme crescimento nos últimos cinco anos, com novos números mostrando o valor da produção de alimentos orgânicos saltando quase 350 por cento. Isso é uma taxa de crescimento espantoso e um grande crédito para o país de 1.145 produtores orgânicos certificados.
Tão animado sobre estes números está o órgão responsável pelo setor, o Organics Aotearoa New Zealand (OANZ), que foi incapaz de conter sua euforia. O ministro do Comércio Tim Groser, liberará o mais recente relatório de produtos orgânicos em Wellington na quinta-feira.
Você não pode culpar o OANZ por se deixar levar pela euforia. O relatório anterior da indústria mostrou um valor de produção do setor de $ 330 milhões, que partiu de 2005, com US $ 140 milhões. O novo relatório mostra que em 2009 os valores chegam a US $ 485 milhões.
Como a proporção do valor global da produção agrícola para a economia nacional, está estimada em cerca de US $ 20 bilhões, a contribuição orgânica é pequena, mas está longe de ser insignificante.
Está havendo um interesse crescente em produtos orgânicos no país. Eles são principalmente criadores de gado leiteiro ou horticultores, que, simplesmente, combinam a prática orgânica e convencional, ou os agricultores que tenham feito uma decisão consciente para reduzir o uso de produtos químicos.Quase todos os produtos são destinados a mercados estrangeiros, onde, sobretudo nos Estados Unidos, a demanda por alimentos orgânicos é enorme.
Exportar é o lugar onde o futuro reside, mas os produtores orgânicos têm um nicho confortável no mercado nacional - no valor de $ 315milhões de acordo com o relatório -, mas agora eles têm que dar o salto para fora, para o restante do mundo Isso não é fácil. Fora da produção leiteira, o setor é essencialmente composto de muitos pequenos produtores que até o momento vendem seus produtos a lojas especializadas e em mercados de agricultores.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 16 de maio de 2010

Investimentos sauditas no setor de alimentos orgânicos giraram em torno de USD 267 milhões em 2009


Os países do CCG (Paises árabes) estão anunciando novas iniciativas para aumentar a participação da região no mercado global de alimentos orgânicos em USD 220 bilhões. O próprio mercado do Golfo é estimado em cerca de USD 300 milhões, com o Reino da Arábia Saudita, sendo o maior consumidor de alimentos, que representa quase 90 por cento do setor.
Existem atualmente mais de 3.000 estabelecimentos dedicados a produtos orgânicos e naturais em todo o Golfo Pérsico, com o aumento de prioridades regionais de saúde e segurança que deverá aumentar este valor ainda mais nos próximos anos. A Arábia Saudita vai liderar os esforços regionais para continuar a crescer o negócio de alimentos orgânicos. O setor privado do país saudita já estabeleceu uma Associação de Agricultores Orgânicos para supervisionar o desenvolvimento de alimentos orgânicos, usando um fundo de USD$ 15 milhões.Os investimentos da Arábia Saudita em alimentos orgânicos foram avaliados em aproximadamente US $ 267 milhões em 2009.
A Companhia Agrícola Riad Al-based Watania, a primeira empresa de gestão com certificação agrícola ISO 9001 no Oriente Médio, pretende contribuir para manter a posição pioneira da Arábia saudita em alimentos orgânicos e indústria de produtos naturais da região. Em 1999, a empresa decidiu parar de usar produtos químicos e fertilizantes artificiais e se concentrar exclusivamente em métodos orgânicos, tais como o uso de repelentes de insetos, pragas e esterco animal.
"Por mais de uma década, temos provado que realmente existe um nicho forte para os alimentos orgânicos na região. Mas além de ser apenas um negócio lucrativo,os alimentos orgânicos permitem a Al Watania realizar a visão do presidente Sulaiman Sheikh Abdul Aziz Al Rajhi de fornecer apenas os alimentos mais saudáveis, mais seguros e confiáveis para o consumidor saudita. Podemos ver essa filosofia ser adotada por um número crescente de países árabes também, com os membros do Golfo, em particular rapidamente transformando a região em um mercado-chave global para produtos alimentares saudáveis e naturais ", disse Ibrahim Abouabat, Diretor Geral da Al Watania.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 15 de maio de 2010

Índia estabeleceu uma meta de exportação de alimentos orgânicos de US $ 1 bilhão nos próximos cinco anos

Produtos orgânicos Indianos (Foto:V. Sreenivasa Murthy)

A Índia estabeleceu uma meta de exportação de alimentos orgânicos de US $ 1 bilhão nos próximos cinco anos, com sua produção recebendo grande aceitação em vários mercados da Europa e dos E.U.A,afirmou o presidente Asit Tripathy da Agricultural and Processed Food Export Development Authority (APEDA) , neste sábado.
"Através da criação de capacidades e de acordos bilaterais, as exportações de orgânicos da Índia podem ser aumentadas para US $ 1 bilhão nos próximos cinco anos”. Acrescentou ainda, "a nossa visão é fazer com que a Índia seja o número um de produtos orgânicos em todo o mundo nos próximos 10 anos", Tripathy, cuja agência foi promovida pelo Ministério da Indústria, fez estas afirmações em uma conferência sobre alimentos orgânicos na Índia neste sábado.
No ano passado, a Índia exportou 135 produtos orgânicos em 18 categorias. O volume total foi de 44.476 toneladas, realizando mais de US $ 125 milhões. O crescimento global das exportações de alimentos orgânicos foi de 50,31 por cento sobre o ano anterior.
Cerca de 60 por cento dos produtos orgânicos do país, foram exportadas para a União Européia, 20 por cento para os E.U.A, 5 por cento para o Japão e o restante para o Canadá, Austrália e países do Leste Asiático.
Atualmente, a Índia ocupa o 33° lugar em termos de total de terra sob cultivo orgânico e 88° lugar em termos de proporção de terras agrícolas em culturas orgânicas do total de área de cultivo, conforme as estatísticas disponíveis na APEDA.
O presidente explicou que no âmbito do Plano de Cinco anos (2007-2012), o país tem como alvo o desenvolvimento de cinco milhões de hectares de terras cultiváveis em terra orgânica certificada e a promoção de um regime para compensar os agricultores do menor rendimento das culturas.
A razão para a ênfase na agricultura orgânica foram os efeitos positivos sobre a biodiversidade e a gestão eficaz do solo que poderia ter um longo caminho para atenuar ou mesmo reverter os efeitos das alterações climáticas, como também diminuir as emissões de carbono.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sexta-feira, 14 de maio de 2010

A empresa China Organic Agriculture anuncia os resultados financeiros do ano de 2009


A China Organic Agriculture, Inc.,uma empresa com sede na província de Liaoning na China, que se dedica à comercialização e distribuição de produtos agrícolas, anunciou hoje seus resultados financeiros para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009.
Destaques Financeiros de 2009
- Receita de 143.900.000 dólares representando um aumento de 27,7% comparados os112. 700 mil dólares americanos em 2008.
- A subsidiária da Companhia Huiming Dalian, adquirida em outubro de 2008, contribuiu significativamente para a receita da Companhia e seus resultados operacionais.
- O lucro bruto foi de 37,1 milhões dólares, comparados com os U$ 25,4 milhões em 2008.
A Receita de 2009 foi de 143,9 milhões dólares americanos, representando um aumento de 27,7% sobre o R$ 112.700 mil dólares de receitas registradas em 2008. Esse aumento reflete a mudança no foco da empresa, realizado através da aquisição de 60% do Dalian Huiming, um comércio "verde e saudável” de grãos na China. O arroz incluído nessas categorias tem um preço duas a três vezes maiores do que os grãos regulares, o que explica o aumento das receitas em uma taxa maior do que o nosso aumento de volume.
O lucro bruto de 2009 foi de 37.100 mil dólares americanos, um aumento de 46,1% em comparação com $ 25,4 milhões em 2008, refletindo tanto o aumento nas vendas e preços mais elevados. A margem bruta aumentou para 25,8% em 2009 comparado a 22,5% em 2008.
A Companhia registrou uma provisão para devedores duvidosos de R $ 1,9 milhão em 2009 devido à conclusão da Companhia que a recuperação de uma parcela dos créditos pendentes de alguns clientes pode ser difícil. Além disso, a Companhia registrou um prejuízo de $ 1,5 milhão referentes à Vinha BELLISIMO em 2009, reflexo da redução das avaliações imobiliárias em Sonoma County, Califórnia.
Como a companhia possui 60% da sua filial Huiming Dalian, 40% da receita líquida total de Dalian Huiming foi registrado como rendimentos atribuídos à participação minoritária. As participações minoritárias aumentaram de US $ 1,3 milhões em 2008 para US $ 10,3 milhões em 2009, refletindo a aquisição na última parte da Dalian Huiming em 2008.
O lucro líquido atribuível aos acionistas foi de 10.900 mil dólares em 2009 que representa uma diminuição de 38% comparada ao lucro líquido em 2008 de US $ 15,7 milhões, excluindo US $ 1,9 milhões da receita de 2008 relativas a operações descontinuadas.
O lucro por ação caiu US $ 0,15 por ação diluída em comparação a US $ 0,27 por ação diluída com operações continuadas em 2008. "Estamos satisfeitos em entregar estes resultados auditados do ano fiscal de 2009", disse Jinsong Li, Chefe Executivo da empresa. "Agradecemos a sua paciência durante o período de prorrogação. Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para agradecer aos nossos acionistas o seu contínuo apoio." Li continuou, "Eu estou feliz com a recente aquisição de 60% do estoque da Changbai Eco Bebidas, um produtor de mirtilo, conforme anunciado em março. Acreditamos que essa aquisição proporcionará à empresa oportunidades significativas com a demanda para produtos à base de mirtilo na China aumentada com o crescente interesse em alternativas alimentares saudáveis. Changbai está bem posicionada para atender a esse mercado e beneficiar esse crescimento e estamos otimistas sobre as oportunidades e os planos para 2010 em diante. "


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Chicza ,natural, saborosa, rara e biodegradável.

Chicza, a primeira goma de mascar orgânica da floresta tropical, está no mercado desde o início de 2009. Com a sua base totalmente natural e orgânica, tem todas as características positivas, é solúvel, não-pegajosa e é um material degradável. Depois de ter sido mastigada, exposta ao tempo, juntamente com bactérias e enzimas, ocorre a degradação biológica, e ela retorna para a Terra. A embalagem também foi produzida pensando no meio ambiente: ela consiste de papelão e plástico biodegradável à base de celulose que é extraída de forma sustentável e renovável produzido a partir de polpa de madeira FCS (Forest Stewardship Council) com árvores certificadas.A Chicza protege a floresta, porque a árvore chicoza produz látex somente em seu ambiente de floresta intacta, e as comunidades têm reflorestados 30 mil ha de floresta desde 1991 e continua este reflorestamento até hoje. " Para fazer Chicza, o chicle é fundido junto com ceras naturais antes que se torne a base da goma. Ainda quente, a base de goma é misturado com adoçantes orgânicos (entre eles, o sempre saudável, xarope de baixo índice glicêmico agave) e sabores naturais, são prensados e moldados em tiras de goma de mascar.Simples como parece, utilizando apenas ingredientes e processos naturais, o produto resultante é uma rara exceção no mundo artificial das gomas de mascar.
O sabor natural da Chicza visa captar a essência de frutas frescas e selvagens, ervas e especiarias, sabor original e consistência pastosa de borracha que só a goma natural pode dar. Uma das grandes vantagens da composição da Chicza é a sua biodegradabilidade. Uma vez eliminados, todos os seus componentes naturais se tornará poeira dentro de semanas.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quarta-feira, 12 de maio de 2010

A agricultura orgânica na Tunísia: desde 1999 e continua forte


A Tunísia continua a dar um interesse especial para a agricultura orgânica, promovendo o setor graças à tomada ao longo dos últimos 11 anos de uma série de decisões-chave. Em 1999, um centro técnico especializado em agricultura orgânico foi criado para servir como um mecanismo central e material de referência.
Em 13 de outubro de 2000 um programa de conscientização sobre a agricultura orgânica foi desenvolvido para reforçar os incentivos e mecanismos criados neste setor. Uma estratégia para a agricultura orgânica, através da promoção de um programa sustentável foi criada em 12 de Maio de 2005. Em 2006, um estudo foi realizado visando à identificação de áreas-piloto especializadas em agricultura orgânica.
Em 2010, o aumento do montante máximo da subvenção anual sobre o controle e certificação para os produtores membros de grupos de desenvolvimento, cooperativas e grupos de profissionais passaram de 5000 chegando a 10 mil dinares por ano. Um dia dedicado à agricultura orgânica da Tunísia foi criado. Campanhas promocionais dentro e fora do país para impulsionar os produtos orgânicos tunisianos foram lançadas.
Além dessas medidas, foi criado uma Comissão Nacional para a programação, avaliação e acompanhamento de pesquisas relacionadas à agricultura orgânica, as células responsáveis por produtos orgânicos no seio das associações profissionais de frutas, legumes, carnes vermelhas e laticínios, bem como a definição de uma sucursal no Ministério da Agricultura para desenvolver uma estratégia e desenvolver a capacidade de promover a agricultura orgânica e acompanhar os projetos e os investimentos neste setor.
Recentemente, foi decidido alargar o projeto-piloto implementado no setor dos cereais, realizado conjuntamente pela organização da agricultura e do Instituto Nacional de Investigação Agronômica, em Túnis, em coordenação com o Instituto Nacional das principais culturas, pecuária, arboricultura, olivicultura e da agricultura orgânica e energia geotérmica. Muito se espera que estas medidas contribuirão significativamente para aumentar a produção do país e melhoria da sua qualidade.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 11 de maio de 2010

Congresso Europeu em Madrid discutirá o futuro sustentável dos alimentos


O 3 º Congresso Europeu de orgânicos em Madrid em 07 de junho de 2010 vai discutir o futuro das políticas agrícolas quanto ao seu potencial de contribuir para combater os desafios urgentes, tais como alterações climáticas, perda da biodiversidade e da crise econômica entre os dirigentes da União Européia e do setor de orgânicos . Peritos confirmaram a sua presença como palestrantes. Da Comissão Européia, Alina Ujupan, membro do Gabinete, Dacian Ciolo,a Comissária Européia da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Maria Angeles Benitez Salas, a diretora de Sustentabilidade e Qualidade de Agricultura e Desenvolvimento Rural; Claudia Olazabal, Chefe Adjunta da Unidade de Biodiversidade, e Jean François Hulot, Chefe da Unidade Orgânica, irão contribuir para as discussões sobre o modo como as futuras políticas de alimentação terão de se adaptar aos desafios futuros.
Lucian Niculescu, Vice-Presidente da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu, irá fornecer uma visão sobre o papel do Parlamento Europeu no processo pós-2013 do PAC. Juana Labrador Moreno, presidente da SEAE e Christopher Stopes, presidente IFOAM EU Group, irá apresentar a abordagem orgânica para enfrentar futuros desafios. As perspectivas dos praticantes serão apresentadas por Ronald van Marlen, Diretor da Ariza. Além disso, a oportunidade de trocar pontos de vista entre os principais operadores e associações orgânico será dada na mesa redonda "A União Européia atende o setor orgânico espanhol". O ponto de vista científico, será representado pelo Prof Nic Lampkin,diretor do Organic Research Centre Elm Farm, Gattinger Andreas,do FIBL (Research Institute of Organic Agriculture) e Luis Manuel González de Molina, da Universidade de Sevilha. Arnd Spahn, do EFFAT, trará dos aspectos dos direitos dos trabalhadores e Krolopp Andras,da IUCN, irá apresentar as reivindicações das organizações que colaboraram para a biodiversidade na campanha Countdown 2010.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Congresso de produtos orgânicos Europeu incorpora as experiências italianas


Nos dias 21 e 22 de junho o setor europeu de orgânicos se reúne em Roma para avaliar o desempenho e discutir possibilidades futuras para a regulamentação da alimentação e a agricultura orgânica na União Européia no 4 º Congresso Europeu de orgânicos. O congresso é coordenado pela IFOAM europe Group e o Instituto Agronômico Mediterrâneo de Bari - IAMB como parte do projeto italiano Interbio, que é coordenado pelo IAMB e financiado pelo Ministério italiano da Agricultura, Alimentação e políticas florestais.As experiências do projeto Interbio estão integradas no programa do 4 ª Congresso Europeu de Orgânicos. O projeto visa promover a Interbio alimentos e a agricultura orgânica e facilitar a partilha de conhecimentos entre os operadores a nível nacional italiano, bem como a nível internacional. Além disso, oferece apoio às atividades de promoção de produções orgânica italianas nos mercados internacionais, bem como o intercâmbio de informações e conhecimentos sobre as regulamentações e políticas para o setor.A Interbio também ajuda a estabelecer relações entre as associações, com foco na cooperação e desenvolvimento, capacitação, atividades de formação e investigação, etc. Uma atenção especial é fixado em cima da área do Mediterrâneo através da Rede de Agricultura Orgânica do Mediterrâneo (gemer), que reúne instituições no Mediterrâneo e países dos Balcãs que tratam de questões orgânicas. Até agora, os participantes de três continentes se inscreveram para o congresso. Menos de 130 lugares estão disponíveis e os organizadores esperam que a capacidade total seja alcançada nas próximas semanas.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 9 de maio de 2010

Com o aumento do interesse do consumidor pelo algodão orgânico, a indústria busca a definição do que são práticas sustentáveis


O algodão orgânico representa uma pequena parcela do mercado mundial do algodão - menos de 1 por cento, segundo estimativas -, mas está crescendo.E com várias grandes marcas e varejistas comprometendo-se em utilizar misturas orgânicas em algumas linhas de produtos, o algodão orgânico pode se tornar a fibra escolhida por muitos consumidores.Isso colocou a indústria do algodão tradicional, que depende fortemente de insumos químicos, na defensiva.
Para contrariar a percepção orgânica que é melhor para os consumidores e para o ambiente, o Conselho Nacional de Algodão da América, juntamente com a Cotton Inc. e outros grandes grupos de produtos agrícolas estão financiando um estudo para chegar a uma definição de "sustentável" que eles esperam passará a fazer parte da regulamentação do Departamento de Agricultura dos E.U.A definindo assim o que é "algodão orgânico" que há quase uma década ainda não existe.Mesmo que a definição não seja concluída, William Norman, vice-presidente de serviços técnicos para o NCC, afirmou que "sustentável" com certeza não vai mais ser sinônimo de "orgânico".
"Existem sistemas de produção convencionais, que são mais sustentáveis do que alguns sistemas de produção orgânicos, e existem alguns sistemas de produção orgânica, que são mais sustentáveis do que alguns sistemas de produção convencionais", disse Norman. Ou, como Janet Reed, diretora associada de pesquisa ambiental para Cotton Inc., argumenta, herbicidas, pesticidas e fertilizantes sintéticos podem ser parte de uma agricultura sustentável."Eles ajudam os produtores a obter maiores rendimentos com menos terra, menos água, menos fertilizantes e menos energia, enquanto perdem menos do solo", disse ela.
O Keystone Center baseado em Denver leva o crédito por trazer a discussão os dois grupos de algodão, juntamente com a Monsanto, o instituto do fertilizante, a Associação Nacional de Conservação e mais de 30 outras organizações pretendem elaborar uma definição técnica para o desenvolvimento sustentável. Estávamos conscientes de que" sustentável"e" agricultura sustentável "foram os termos que foram crescendo em popularidade, mas não foram bem traçados", disse Julie Shapiro, associado ao Centro de Keystone. Ela esteve envolvida na promoção, gestão e coordenação do projeto que veio a ser chamado de: A Aliança Keystone para Agricultura Sustentável.
As organizações que se reuniram, disse ela, concordaram que a sustentabilidade seria definido por um foco nos resultados em vez de práticas. Uma definição, que saiu no ano passado, incorporou as tendências nacionais no uso da terra, uso da água, uso de energia, perda de solo e as emissões de gases de efeito estufa por fardo de algodão. Pesticidas, por exemplo, foram avaliados em termos de quantidade de energia necessária para fabricar e aplicá-los. Os defensores da agricultura orgânica criticam a definição por deixar de fora muitas coisas, tais como a toxicidade de pesticidas para os seres humanos e animais selvagens. Shapiro disse que a aliança do agronegócio está buscando refinar a definição, incluindo medições da qualidade da água, a biodiversidade, a saúde sócio-econômico dos agricultores, e a saúde dos mercados de crédito ao ecossistema, tais como os mercados de negociação de carbono. Eles não vão, no entanto, lidar com a transferência de características genéticas de organismos geneticamente modificados, disse ela. "Nós não estamos tentando fazer juízos de valor sobre o que é realmente sustentável, mas sim o ponto em que se tem sido feito progresso e trabalhar para construir um sistema que apóie a melhoria contínua", finalizou Shapiro.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 8 de maio de 2010

A venda trimestral de produtos orgânicos da empresa Digeo deverá crescer até 12%


O fabricante de bebidas Diageo, disse hoje que para o terceiro trimestre, as vendas de seus produtos orgânicos devam crescer 12%, enquanto as vendas “Convencionais” crescerão até 9%. "O crescimento para o ano até agora foi impulsionado também pelo amplo crescimento orgânico e do impacto das taxas de câmbio para o período”, afirmou a empresa. "A tendência dos consumidores continuam sendo difíceis de prever, especialmente nos mercados maduros.” “Nossa expectativa é a diminuição do crescimento do lucro nos produtos “Convencionais” em um dígito, enquanto que para os produtos orgânicos permanece inalterada", acrescentou a empresa.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sexta-feira, 7 de maio de 2010

O mercado interno de produtos orgânicos na Índia tem dado alguns passos importantes nos últimos anos.


O mercado interno de produtos orgânicos na Índia tem dado alguns passos importantes nos últimos anos. Uma das empresas que é um motor forte deste desenvolvimento é a Sresta Pvt.Ltd. A Sresta tem projetos de agricultura em Kerala.
A Fair Trade Alliance Kerala (FTAK), com 3.600 membros, é uma associação muito importante e é um dos seis estudos de caso selecionados pelo Projeto Geofairtrade.Uma série de produtos tropicais são cultivados, como caju, coco, café, cacau, pimenta, noz-moscada, baunilha e outras especiarias. Encontrar um mercado para cada cultura certificada tem sido um desafio.
A parceria com a Elements Homestead Products Pvt. Ltd e a comercialização associada a pakka AG, uma empresa suíça, permitiu o acesso ao mercado de pré-financiamento, orientação de qualidade, informação de mercado e promoção de produtos da FTAK's.A Elements Homestead Products assegura que as colheitas de alta qualidade seja submetido a um tratamento pós-colheita, em geral, indústrias de terceiros. A castanha de caju com especiarias orgânicas e de comércio justo tem a sua própria marca. O café é descascado , classificado e ensacado em instalações adotadas com a qualidade exigida pelo mercado especialista. O sucesso do marketing não só melhora o rendimento dos agricultores, mas também permite a FTAK e seu conselho realizar projetos para o bem-estar social das comunidades agrícolas. A cozinha comunitária, painéis solares e bicicletas para as escolas são exemplos típicos. Um fundo de micro-crédito rotativo foi criado em uma área remota para os agricultores, cuja cultura e meios de subsistência foram devastados por uma doença.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Um relatório do governo norte-americano recomenda que as pessoas comam mais produtos orgânicos.


Um relatório do governo afirma que a produção agrícola norte-americana pode estar colocando o público em risco para o câncer e recomenda que as pessoas comam mais produtos orgânicos. O estudo foi divulgado hoje pelo Cancer Painel e é um olhar sobre os riscos potenciais do meio ambiente. O painel de câncer tem dois membros - o terceiro assento está vago - e ambos foram nomeados pelo Presidente George W. Bush.
O estudo inclui um capítulo sobre a agricultura e trás uma série de riscos potenciais à saúde, incluindo os dos pesticidas, como o herbicida atrazina, que é usado em campos de milho, mas também de fertilizantes nitrogenados e de produtos farmacêuticos veterinários. Fertilizantes podem aumentar risco de câncer através da repartição do azoto durante a digestão, afirma o estudo. O nitrogênio dos campos se infiltra no solo indo para os locais de abastecimentos de água potável.
A Agência de Proteção Ambiental está tendo um outro olhar para os riscos de saúde possíveis da atrazina, um produto da Syngenta, (A agência já havia concluído que a atrazina era segura.)
Mas o Instituto de fertilizantes, o grupo comercial que representa os fabricantes de fertilizantes, expressou estar surpreendido com o relatório. "Não temos conhecimento de qualquer informação científica que merece menção aos adubos presentes no relatório, quando na verdade os nutrientes encontrados nos adubos são exigidos por todos os organismos vivos", disse o grupo.
O grupo disse que há evidências de que a exposição aos nitratos realmente melhora a qualidade nutricional de frutas e legumes. O relatório diz que os antioxidantes encontrados em frutas e verduras podem proteger uma pessoa de contrair cancro dos nitratos.
O estudo recomenda que os consumidores comprem alimentos cultivados sem o uso de pesticidas ou fertilizantes químicos e lavem bem os cultivados convencionalmente para remover os resíduos tóxicos. O painel também recomenda comer carne produzida sem antibióticos e hormônios de crescimento. (alguns alimentos orgânicos ainda são produzidos com a utilização de pesticidas, embora eles não sejam as versões sintéticas citadas no estudo).
A American Cancer Society, afirmou que o relatório está desequilibrado, mas o presidente do Breast Cancer Fund, um grupo de defesa ambiental, chamou o relatório de"um divisor de águas que pode transformar não só a política federal sobre o câncer, mas sobre os produtos químicos".


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Canadá proíbe nano-partículas na produção de alimentos orgânicos

Nanoparticulas em Vagem de ervilha

O Canadian General Standards Board proibiu o uso da nanotecnologia na produção de alimentos orgânicos. Uma alteração foi adicionada às normas orgânicas nacional do Canadá que proíbem a nanotecnologia como uma "substância ou método proibido." A seção enumera as substâncias ou técnicas que são proibidas na produção de alimentos orgânicos, incluindo a engenharia genética, pesticidas sintéticos, irradiação e de animais clonados.
Segundo Dag Falck, gerente do programa orgânico na Nature's Path Foods, as razões para a proibição da nanotecnologia é que os consumidores estão muito preocupados com a esta tecnologia, que é incompatível com os princípios orgânicos, e que os aspectos de segurança da tecnologia são desconhecidos.
O Comitê de Materiais Handling National Organic Standards Board (NOSB) nos Estados Unidos recomendou no outono passado que a nanotecnologia seja banida da produção de alimentos orgânicos, mas em Fevereiro, a comissão publicou um pedido de informação para o desenvolvimento de uma definição de utilização do termo (nanotecnologia) no produto. "O documento diz que" a dificuldade de desenvolver uma definição para o termo "nanotecnologia" impediu a comissão de concluir uma recomendação final sobre esta questão importante. A comissão solicitou uma análise técnica e científica da questão para auxiliar a comissão de identificar claramente o termo "nanotecnologia".
A proibição da nanotecnologia na produção de orgânicos apresenta desafios, porque já está sendo usado em alguns produtos orgânicos. A Nano Green Sciences, Inc. vende um nano de pesticidas que eles dizem é "orgânico." Outros inseticidas naturais, como pyrethrin, podem conter nanopartículas que poderia ser usado para limpar vegetais de bactérias. Alguns produtos de higiene pessoal, já contêm nanopartículas.
Portugal também se junta a vários outros países que têm proibição ou proposta de proibição de nanotecnologia na agricultura orgânica. O Organic Crop Improvement Association com sede nos Estados Unidos tem uma cláusula em seu padrão orgânico para regular o uso da nanotecnologia.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 4 de maio de 2010

Novo guia de criação de frangos orgânicos do Organic Centre of Wales do Reino Unido

O Organic Centre of Wales produziu um novo guia técnico intitulado " Organic Poultry Production for Meat“, financiado através do Programa de Desenvolvimento da Agricultura Orgânica.O guia aborda os principais aspectos da produção e processamento de frangos, incluindo alimentação, raças, crescimento das aves ,o gerenciamento da criação, abate e transformação, os custos e outros dados financeiros. Foi escrito por Steve Merritt do Welsh Poultry Centre, Kelly Rebecca do Centro de Investigação Orgânica Elm Farm e Moakes Simon do Instituto de Ciências Biológicas, Ciências Ambientais e Rural, e baseia-se em mais de 15 anos de experiência prática, as descobertas mais recentes de pesquisas e os dados financeiros mais recentes disponíveis. Tony Little do Organic Centre Wales que editou o guia, disse: "Temos recebido um número crescente de pedidos de pessoas interessadas na produção de aves de forma orgânica, incluindo os agricultores orgânicos com diversificação em aves, os agricultores convencionais, considerando os novos operadores de conversão para agricultura orgânica. Este guia é destinado principalmente a pessoas que iniciam a produção orgânica pela primeira vez, mas espero que seja útil para os produtores mais experientes também”. O guia está disponível para download (em inglês) aqui .
Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 3 de maio de 2010

O volume de negócios no comércio especializado da Alemanha cresceu 4% no primeiro trimestre de 2010

No primeiro trimestre de 2010 o volume de negócios no comércio varejista especializado de alimentos (produtos orgânicos) na Alemanha aumentou 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Este valor é obtido a partir de uma avaliação periódica dos resultados operacionais de mais de 300 empresas que participam do volume de negócios da editora Bio Verlag.A evolução dos diversos tipos de saída foi relativamente uniforme no primeiro trimestre de 2010: os estabelecimentos agrícolas, que têm alcançado taxas de crescimento inferior a média dos últimos dois anos, iniciaram o primeiro trimestre com um aumento de 3,8% no volume diário (em comparação com resultados negativos de 3,6% no ano passado).O ano de 2009 fechou com lojas pequenas de alimentos alcançando um aumento de 2,3%. Lojas especializadas mostraram um ganho de 4,6% (crescimento negativo de 1,0% no ano passado). Supermercados que vendem produtos orgânicos aumentaram seu volume de negócios em 4,3% em comparação com os primeiros meses de 2009. Portanto, em termos de dinâmica de crescimento, o primeiro trimestre de 2010 foi muito melhor do que o crescimento negativo de 1,1% registrado há um ano

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 2 de maio de 2010

Agenda viva recebe prêmio de jornalismo 2010 na Feira Biocultura em Barcelona


A publicação da Fundação Felix Rodriguez de la Fuente, Agenda Viva, recebeu o Premio de Jornalismo na categoria imprensa na Feira Biocultura. Este prêmio reconhece o trabalho de divulgação e sensibilização dos consumidores para os profissionais responsáveis que vivem envolvidos no meio. A cerimônia de premiação teve lugar neste sábado às 19h00 na Sala Gaudí no Palau de Sant Jordi em Barcelona, Espanha.
A editora-chefa da revista, Beatriz Calvo disse hoje através de uma declaração de que” é uma honra e uma alegria receber o prêmio de uma associação que tem lutado para a sustentabilidade e que faz da Biocultura uma das mais importantes feiras internacionais na Europa, e o mais importante de Espanha”.”Uma honra ao ver reconhecida, um decano da consciência ambiental em nosso país, e uma alegria de fazer parte de uma rede de pessoas comprometidas, que incessantemente plantam consciência nas pessoas, semeando uma cultura ecológica, acrescentou”.
Por outro lado, para o presidente da Fundação Felix Rodriguez de la Fuente, Odile Rodríguez de la Fuente, receber um prêmio como este, no ano do 30 º aniversário da morte do naturalista, é uma fonte de encorajamento e força para continuar trabalhando para realizar a missão principal da Fundação, para criar uma consciência ambiental e científica na sociedade.
A Feira Biocultura está no seu sexto ano consecutivo, dando prêmios para o trabalho dos jornalistas mais ou programa que trabalharam em favor de alimentos orgânicos na imprensa, televisão, rádio e internet.
Esta iniciativa é para incentivar a propagação das características intrínsecas de produtos orgânicos, que é uma tarefa fundamental para que este tipo de produto tenha um número cada vez maior de consumidores.
Esta feira é mais importante a nível nacional para os produtos orgânicos e o consumo responsável. Mais de 700 expositores e 80.000 visitantes se reúnem nestes dias, no Palau Sant Jordi para trocar experiências, fazer acordos comerciais e os mais recentes desenvolvimentos no setor.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 1 de maio de 2010

Alimentos convencionais que são mais propensos a terem resíduos de pesticidas


Atualmente existem diversos alimentos orgânicos que tornam a sua vida mais saudável, mas há uma outra categoria importante: existe uma dúzia de alimentos convencionais que são mais propensos a terem resíduos de pesticidas e devem ser substituídos por orgânicos. Aqui está uma lista de alimentos para ajudá-lo a lembrar.
“Se você deseja evitar os pesticidas, este rol irá ajudá-lo a conhecer a “dúzia suja” e ” as limpas" de produzir, ou melhor, os alimentos com os mais altos e mais baixos resíduos de pesticidas. Procure decorar esta lista e tenha uma vida mais saudável.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...