domingo, 28 de fevereiro de 2010

Embalagens bonitas e sustentáveis para produtos lácteos orgânicos

A designer Lindsay Perkins criou embalagens e rótulos para produtos orgânicos inspirados em uma pequena fazenda nos EUA, a Nezinscot Farm. A ideia é manter um padrão visual entre todos os alimentos da fazenda e destacar a sua simplicidade e sabor puro.


As embalagens para os queijos são criadas a partir de material 100% reciclado e biodegradável, feito de sementes de capim. Ele pode ser replantado para dar vida a novas plantas.

As garrafas para o leite, têm as informações do produto impressas no vidro e podem ser reutilizadas.

Fonte:http://embalagemsustentavel.wordpress.com/
http://popsop.com/30325
http://www.lindsayperkins.com/look/nezinscot.html

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Pimenta-de-macaco utilizada como inseticida orgânico


A Embrapa Acre, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa, está pesquisando óleos essenciais de pimenta-de-macaco (Piper aduncum), para serem utilizados como inseticidas orgânicos.Segundo o pesquisador Murilo Fazolin, coordenador do projeto, uma das metas da Embrapa Acre é prospectar no mercado elementos da biodiversidade amazônica para o desenvolvimento de produtos diferenciados. A pimenta-de-macaco é uma espécie nativa da Amazônia, encontrada em abundância em áreas de capoeira, principalmente no Acre. "A grande demanda nacional e mundial por inseticidas biológicos foi um dos motivos para desenvolvermos essa pesquisa. Também pretendemos atender à agricultura orgânica.
No Brasil, em 2008, foram cultivados 932 mil hectares para produção orgânica certificada", afirma Fazolin.O projeto de pesquisa irá durar dois anos e os experimentos iniciais serão realizados em lavouras de milho. A ideia é utilizar o inseticida orgânico no controle também de outras pragas da agricultura. As pesquisas que envolvem os óleos essenciais das pimentas-longas, que inclui a pimenta-de-macaco, duram cerca de dez anos na Embrapa Acre. Além de atuarem como inseticidas, esses produtos também estão sendo testados como sinérgicos, substâncias utilizadas para aumentar a potência de inseticidas comerciais, o que proporciona uma redução das doses aplicadas no ambiente.


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Em Londres, empresas investem em cosméticos orgânicos

Neal's Yard Remedies (DIVULGAÇÃO)

Produtos de beleza já são uma delícia (testar, comprar e usar), melhor ainda quando são orgânicos ou feitos de maneira sustentável e sem “químicas nojentas”, como eles dizem por aqui. Por isso que tenho uma lista de lojas que gosto de visitar quando estou em Londres. Ontem foi a vez de ver o que há de novo em duas lojas já bem conhecidas: a Neal’s Yard Remedies e a Body Shop.
A Neal’s Yard Remedies foi para o Brasil dez anos atrás, mas a marca não teve tanto sucesso no Brasil como tem por aqui na Inglaterra. A empresa está caminhando rumo aos produtos 100% orgânicos e com certificação de fair trade, o comércio justo, de todas as suas linhas.
O mais interessante é que cada um dos seus produtos trazem no rótulo traseiro um quadrado verde com a porcentagem de ingredientes orgânicos presente na sua composição. Assim, é possível saber se aquele creme que você tanto gosta traz muitos ou poucos ingredientes cultivados sem pesticidas e agrotóxicos.
E o mais interessante é que agora (pelo menos eu nunca tinha visto isto aqui) você pode escolher as amostras que quer levar para casa e testar. Assim o cliente evita de comprar algo que não vai usar e de jogá-lo no lixo ou deixá-lo envelhecer na gaveta. Eles colocam em uns micro potinhos com diâmetro menor que uma moeda de um real.
Já a Body Shop nunca chegou ao Brasil (quer dizer, no Free Shop do Rio tem), mas faz questão de dizer que suas linhas são naturais e também está dedicada a desenvolver cremes orgânicos.

Autora:Alice Lobo -
do blog Verdinho Básico, especial para O Estado

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Demanda por orgânicos na Europa pode abrir mercado para brasileiros


A demanda do mercado europeu por alimentos orgânicos segue em expansão, e os consumidores entendem que produto com valor agregado é aquele que une qualidade e fair trade (comércio justo). Essas foram algumas das observações feitas por técnicos do Sebrae durante a participação na maior feira de agricultura orgânica da Alemanha, a BioFach 2010. O evento aconteceu em Nuremberg, de 16 a 19 de fevereiro. O grupo permanece esta semana no país para visitar supermercados, distribuidoras, empresas e escolas técnicas. Sua missão é trazer informações que promovam a inovação no mercado de orgânicos no Brasil.
São 23 participantes, entre coordenadores de carteiras e gerentes das unidades de agronegócios do Sebrae de 13 Estados. Agricultores familiares apoiados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) que são clientes do Sebrae também participaram da feira. "A questão de embalagens para produtos orgânicos é um dos maiores desafios do setor, pois há uma grande demanda e pouca oferta”, afirma a coordenadora da carteira de agroecologia da instituição, Newman Costa. Segundo ela, os dados de crescimento de produtos orgânicos na Europa são surpreendentes.
“Existe um mercado enorme para nossos produtos na Europa, mas precisamos nos adequar ao padrão exigido pelo mercado internacional e melhorar o padrão de qualidade”, afirma. A carteira de orgânicos do Sebrae conta hoje com 54 projetos. Durante a BioFach, a equipe foi convidada pela organização da feira para uma palestra sobre o mercado brasileiro e suas estratégias de atuação nos eventos de reconhecimento internacional como Copa do Mundo 2014 e a Olimpíada em 2016.
O grupo brasileiro também visitou mercados revendedores de orgânicos nas cidades de Frankfurt e Nuremberg, para verificar como os consumidores compram direto do produtor e, principalmente, a relação entre cliente e fornecedor, tendo como foco a comercialização e a logística de distribuição. A missão visitou ainda o Basic Frankfurt (com 6 mil produtos orgânicos e 24 lojas – segunda em faturamento na Alemanha) e a Al Nature (8.500 produtos orgânicos e 84 lojas na Alemanha – primeira em faturamento no país). Adriano Matos Rodrigues, técnico do Sebrae no Espírito Santo, identificou na empresa Hutzelhof um canal de comercialização para os produtores do seu Estado.
“A empresa comercializa cestas prontas, com frutas, legumes e verduras, para serem entregues nas residências. Outros produtores podem fornecer para ela complementando sua variedade de produtos”. Para Maria de Fátima dos Santos, técnica do Sebrae em Alagoas, um ponto que chamou atenção foi o estímulo feito para que as crianças da Europa consumam desde cedo frutas e legumes. Fátima conta que é grande a diversidade dos produtos orgânicos existentes no mercado, que vai desde alimentos para recém-nascidos até fabricação de absorventes, vestuário, material de limpeza.
“É uma grande oportunidade para pequenos empreendedores da agricultura familiar, artesanato e vários outros segmentos”, afirma. O tamanho das possibilidades do mercado de orgânicos também impressionou o gerente da área de desenvolvimento territorial do Sebrae/RJ, Antonio Batista. “Enquanto no Brasil há uma ênfase forte nos produtos “in natura”, a feira apresentou os mais diferentes tipos de processados: desidratados, embutidos, pré-cozidos, cristalizados, entre outros. Esta diversificação é importante em função da ampliação do ciclo de vida dos produtos, maximizando o prazo de validade e, por conseguinte, o atendimento a mercados em distâncias mais ampliadas”, disse.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A China Organic Agriculture Inc. (CNOA),realiza a aquisição e distribuição de produtos orgânicos na China


A China Organic Agriculture Inc. (CNOA),através de suas subsidiárias, realiza a aquisição e distribuição de produtos agrícolas na República Popular da China. A Empresa oferece arroz, arroz orgânico, soja, milho, cereais, vinho e outros produtos agrícolas. A empresa distribui seus produtos principalmente através de grandes distribuidores agrícolas, incluindo Shen Zhen Shen Jin Da Agricultural By-product Trading Co. Ltd., Beijing Jingu Hengfa Trading Co. Ltd., Shanghai Liang You Group Co. Ltd., Jinyunda Industry Development Co. Ltd. and Guang Dong Guangliang Industry Co. Ltd. A CNOA desenvolveu extensas redes em muitas das principais cidades da China, incluindo Pequim, Xangai e Nanquim, e está posicionada para aproveitar as redes e estabelecer ampla distribuição de uma série de alimentos naturais e produtos relacionados.
A CNOA capitaliza sobre a economia crescente da China e a expansão da classe de consumidores que exigem cada vez mais produtos alimentares de alto nível, bem como de outras economias emergentes da Ásia. Na China, o mercado de orgânicos tem crescido a uma taxa anual de duplo dígito nos últimos dez anos. Estima-se que as vendas de produtos orgânicos no varejo na Ásia já ultrapassam US $ 1 bilhão, e a China é o país asiático com a maior área de terra orgânica certificada.
A CNOA pretende alcançar tanto o crescimento da receita através da expansão orgânica, bem como pela aquisição de linhas de produtos complementares e empresas. Em dezembro do ano passado, a CNOA anunciou que entrou em um acordo para adquirir 60% do capital da Eco-Changbai Beverage Co. Ltd (Changbai) no valor de 70 milhões de RMB (US$ 10,25 milhões). "

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Marrocos está no topo da agricultura orgânica

O Marrocos ocupa o oitavo lugar do mundo em termos de total de terra sob cultivo orgânico, que abrange 4.216 hectares, segundo a Federação Internacional de Agricultura Orgânica (IFOAM).No entanto, o País Norte Africano reivindica números maiores: de acordo com o Instituto Agrícola e Veterinário Hassan II, a área total dedicada à agricultura orgânica em Marrocos excede a 13.000 ha.
O instituto acusa o retrocesso institucional e legislativo, tanto na agricultura e no comércio, pelo atraso do Marrocos neste setor. A agricultura orgânica no país está ainda em sua infância, apesar do grande potencial que tem, em comparação com a Tunísia ou Egito, que já possuem uma experiência considerável nesta área. No entanto, esses países já têm orientações de instituições de certificação orgânica, explica o IFOAM em um comunicado.
Segundo a IFOAM, o mercado mundial de produtos orgânicos perfaz um montante de 14.700 milhões de euros, com taxas de crescimento de 20% ao ano.


Tradução e pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Novas categorias de alimentos orgânicos estão sendo criadas o tempo todo


Novas categorias de alimentos orgânicos estão sendo criadas o tempo todo. Embora os alimentos orgânicos representem cerca de 2% das vendas totais de alimentos em todo o mundo, esse número continua a crescer. Só nos E.U.A, os produtos orgânicos estão disponíveis em mais de 20.000 lojas de produtos naturais e mais de 73% dos supermercados convencionais e supermercados. Agora, mais do que nunca, os consumidores que desejam comprarem orgânicos têm uma grande variedade de produtos para escolher. Desde alimentos para bebês, produtos de pastelaria, pet food, lanches entre outros produtos. Um levantamento recente da United Soybean Board dos E.U.A revelou que os consumidores estão dispostos a aumentar seus gastos com alimentos mais saudáveis.
Cada vez mais agricultores estão adotando métodos orgânicos. Milho, soja, aves e produtos lácteos são as categorias de maior crescimento no setor orgânico. Em algumas partes dos E.U.A, a demanda por leite orgânico está superando a oferta. Muitos consumidores temem os efeitos do hormônio de crescimento bovino, que é amplamente utilizado com bovinos não-orgânicos. Como resultado, mais consumidores estão procurando carne orgânica. Preocupações com hormônios e antibióticos em aves levaram à compra de mais ovos orgânicos e, frango criado ao ar livre. Queijo, manteiga, iogurte e sorvete também atingiram o mercado.
Ao andar em qualquer supermercado, você pode ver uma seleção crescente de alimentos orgânicos - a partir de snacks, frutas e legumes, molhos para massas, e até mesmo pet food. E porque não? Convencionalmente alimentos processados contêm aditivos que podem provocar reações alérgicas em indivíduos sensíveis. Mais consumidores estão dispostos a pagar mais por alimentos que são livres de gorduras trans, que são encontradas em alimentos processados convencional.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Primeira edição do Prêmio Internacional de vinho orgânico MUNDUSvini Biofath 2010


A feira internacional de produtos orgânicos BioFach lançou uma nova premiação destinada a premiar as melhores iniciativas no setor do vinho orgânico.
O prêmio internacional de vinho orgânico baseia-se na cooperação estratégica entre a BioFach e a Mundusvini, que organiza o grande prêmio internacional de mesmo nome, para impulsionar o segmento de mercado orgânico internacional e ampliar a oferta de vinho no salão mundial.
O diretor do salão, Udo Funke, manifestou satisfação pela cooperação entre as duas instituições, uma vez que o vinho é um dos produtos orgânicos mais rentáveis para o futuro, como foi demonstrado na BioFach 2010 que apresentou 270 Expositores de vinhos para o público profissional. "A prova teve lugar em Dezembro claramente demonstrando que essa parceria promissora é um verdadeiro valor acrescentado para os nossos clientes, o mercado e para nós como organizadores da BioFach", disse Funke.
Um painel internacional provou 622 vinhos de 19 países sendo 390 vinhos tintos orgânicos, 213 brancos e 17 rosa e 2 Blanc de Noirs provenientes de agricultura orgânica. Foram dadas, no total, 220 medalhas: 5 vinhos premiados com ouro superior, 70 de ouro e 145 de prata. O maior número de medalhas (63) foi para os produtores de vinho italiano, que também enviou o maior número de produtores: 163 no total. Um total de 41 medalhas ficaram nas mãos dos viticultores orgânicos alemães, incluindo 2 de ouro superiores e 19 de ouro. As maiorias dos vinhos que receberam medalha de ouro vieram das seguintes nações: França (um total de 26 medalhas) e Áustria (17 medalhas).
"Os resultados mostram que temos uma gama de vinhos orgânicos de alta qualidade. Especialmente os vinhos brancos alemães que têm sido particularmente forte ", resume Christoph Meininger, gerente da Mundusvini.
A medalha mais precioso de ouro foi para os seguintes vinhos: 2008 Lieserer Rosenlay Riesling Auslese Feinherb, adega de Hubertushof GbR, Lieser (Mosel), Alemanha; 2008 Stulb edelsüß Muscateller Gelber, adega Stulb, Zell (Mosel), Alemanha, 2003 San Michele a Torri Vinsanto del'Etruria Colli Centrale DOC, Fattoria San Michele a Torri srl, Scandicci (Toscana), Itália; 2006 Vougeot 1er Cru Clos Blanc de Vougeot Monopole, Domaine de la Vougeraie, Premeaux Prissey (Borgonha, França) e Welschriesling Trockenbeerenauslese 2006, adega Ecológica Artner Göttlesbronn (Carnuntum), na Áustria.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Orgânicos brasileiros em Nurenberg


Com um consumo de US$ 46 bilhões no ano passado, o mercado de produtos orgânicos está em expansão no mundo inteiro, incluindo o Brasil. No ano passado, o faturamento das empresas brasileiras que atuam no setor ficou em torno de US$ 300 milhões. E o segmento, que antes era conhecido por uma produção semiartesanal, explorado por pequenos empreendedores, passou a atrair gente grande, que já está operando no mercado interno com marcas próprias. É o caso de empresas como a rede Pão de Açúcar, com a linha Taeq, e gigantes da indústria de alimentos, como a Nestlé, dona da Sollys.
Quinto maior produtor do mundo, o Brasil quer pegar carona na onda da alimentação saudável.Reunido no projeto Organics Brasil, formado por iniciativa do Instituto Paraná Desenvolvimento (IPD) e da Apex-Brasil, um grupo de 74 empresas está participando da Biofach Nurenberg, maior feira mundial do setor, que se encerrou neste sábado em Nurenberg, na Alemanha. Segundo Ming Chao Liu, gestor do Organics Brasil, a delegação brasileira deverá fechar na feira contratos de US$ 40 milhões.


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Tunísia: perspectivas promissoras para a agricultura orgânica


No programa presidencial para a gestão de 2009-2014, na Tunísia, a agricultura orgânica tem recebido interesse especial que visa duplicar as áreas dedicadas ao produtos orgânicos, para chegar a 500.000 hectares em 2014.
Em 2009, a produção da agricultura orgânica aumentou 200%. A produção média da cultura em 2008 chegou a 170, 000 toneladas contra as 30 000 toneladas em 2004 e 9.000 toneladas em 2002.
O valor das exportações atingiu 64 milhões de dinares, contra 3,3 milhões de dinares em 2003. Desde 2004, o investimento em agricultura orgânica atingiu 10 milhões de dinares por ano.
Quanto as terras dedicadas à agricultura orgânica, são estimados em 130, 000 hectares, incluindo 115, 000 hectares de oliveiras, 6, 000 hectares de árvores de fruto, 6, 000 hectares de plantas medicinais e aromáticas e 2.000 hectares dedicados a grandes culturas e 1, 000 hectares de palmeiras.


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Terras agrícolas orgânicas no mundo somam hoje 35 milhões de hectares


Segundo o FiBL(Instituto de Pesquisa de Agricultura Orgânica) e o IFOAM( Federação Internacional dos Movimentos de Agricultura Orgânica ) 35 milhões de hectares de terras agrícolas são certificadas anualmente de acordo com padrões orgânicos (dados no final de 2008), três milhões de hectares a mais que em 2007. Os resultados do estudo, totalmente compilado no livro The World of Organic Agriculture: Statistics and Emerging Trends 2010, serão apresentadas na BioFach 2010 em 19 de fevereiro.
O FiBL e a IFOAM vão apresentar as últimas estatísticas sobre o mundo da agricultura orgânica em todo o comércio na maior feira mundial de produtos orgânicos.
Helga Willer do FiBL.afirmou que "O crescimento foi mais forte na América Latina e Europa." Existem quase 1,4 milhões de produtores orgânicos.
"Essa é uma boa notícia", afirma Markus Arbenz, Diretor Executivo da IFOAM. "Os mercados em todo o mundo continuam a exigindo uma produção mais orgânica, apesar da turbulência econômica." Referindo-se ao crescimento da agricultura orgânica no sul do mundo, acrescenta, "Estamos particularmente satisfeitos com os pequenos agricultores de países em desenvolvimento no movimento orgânico. Nós temos aprendido nos últimos anos que a conversão para a agricultura orgânica beneficia a segurança alimentar, a adaptação às alterações climáticas e conservação da biodiversidade. "
A maior parte da superfície mundial de orgânicos está na Oceania (34,7 por cento), seguida pela Europa (23,4 por cento) e América Latina (23 por cento). Com suas vastas terras de pastagem, a Austrália continua a representar a maior área de superfície orgânica certificada, com 12 milhões de hectares, seguido pela Argentina (4 milhões de hectares) e China (1,9 milhões de hectares). O mercado global para produtos orgânicos atingiu um valor de mais de 50 bilhões de dólares em 2008, com a grande maioria dos produtos a serem consumidos na América do Norte e Europa, segundo a Organic Monitor.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A empresa Organic Índia inicia sua própria cadeia de lojas de varejo


A empresa Organic Índia, que está envolvida com a agricultura orgânica em Uttar Pradesh e exportação de ervas já iniciaram a criação de sua própria cadeia de lojas de varejo exclusivo na Índia. A empresa já abriu uma loja exclusiva de varejo no Maharashtra e está em vias de inaugurar mais seis lojas em Nova Deli, Chandigarh, Hyderabad, Bhopal, Nagpur, e Lucknow até ao final de março.
O diretor geral e CEO da Organic Índia, Krishan Guptaa, disse que a empresa fez a sua incursão no segmento da cadeia exclusiva de varejo e também ampliou o portfólio de produtos para incluir grãos alimentícios orgânicos. Até agora a empresa estava exportando ervas organicamente cultivadas e remédios ayurvédicos, mas agora expandiu a carteira para incluir grãos alimentícios cultivados organicamente e frutas.
"Com isso esperamos atingir um aumento nos negócios no próximo ano fiscal 2010-11. Existe um enorme mercado estrangeiro para os frutos cultivados organicamente, legumes e grãos alimentícios. Nós já estabelecemos uma presença no exterior através de nossa marca de ervas orgânicas e medicamentos. Com a introdução de frutas cultivadas organicamente esperamos crescer rapidamente nos próximos anos. As frutas orgânicas também têm um nicho de mercado pronto na Índia e já começamos a criação de uma cadeia de lojas de varejo exclusivas que irão fornecer toda a gama de nossos produtos aos consumidores em todas as grandes cidades do país ", disse Krishan Guptaa.
A empresa também está participando da BioFach 2010, a feira anual de alimentos orgânicos em Nuremberg, na Alemanha. A companhia baseada Uttar Pradesh esteve envolvida em outras partes do país durante os últimos anos e comercializa os produtos com sua marca, tanto localmente, bem como os exporta para o exterior.

Fonte:http://www.indiaretailing.com

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Algodão Orgânico


O algodão orgânico é, em essência, o algodão a partir de plantas que não tenham sido geneticamente modificados e que também foram cultivados sem o uso de produtos químicos como pesticidas e fertilizantes. Esses produtos são certificados, a fim de demonstrar o seu crescimento não-sintéticos e de produção. O crescimento e a produção de algodão orgânico visam também à cumplicidade natural dos ciclos biológicos, assim como a biodiversidade em geral. Além disso, a plantação de algodão deve obedecer a determinados critérios, a fim de atender às exigências e especificações para ser considerado orgânico.
Na maioria dos casos que cumpram os requisitos para ser considerada "orgânica" inclui a regulação das práticas permitidas e número crescente de atividades, tais como controle de pragas, manejo de culturas real, o crescimento e fertilização das culturas, bem como quais são as medidas para proteger as culturas e como eles crescem. O algodão orgânico é cultivado em mais de 24 países no mundo inteiro e, a partir de 2007, a produção mundial de algodão orgânico foi se expandindo a uma taxa incrível de 50% ao ano ou mais.
Em termos de cultivo, a área cultivada total de algodão no globo terrestre representa apenas cerca de 2,5%, apesar do fato de que a cultura de algodão também representa o uso global de cerca de 16% de todos os inseticidas - uma porcentagem significativamente maior do que qualquer outra grande cultura global. A cultura e o cultivo de algodão orgânico não têm efeitos colaterais e as conseqüências ambientais devido ao uso crescente de produtos químicos, como pesticidas e inseticidas no processo de cultivo tradicional. Estes incluem a poluição do ar, tanto a água de superfície e as reservas de água local e áreas de drenagem. Além disso, após o cultivo, resíduos químicos podem causar irritação na pele dos consumidores eventuais e potencialmente causar reações potencialmente fatais.
Como resultado do uso crescente de pesticidas e produtos químicos ao longo dos anos é fácil ver que os produtores de algodão que mudaram para o orgânico, baseados em métodos de colheita biológicos não podem apenas esperar para ver e oferecer um produto muito mais limpo para os seus clientes também podem estar convencido de que eles estão beneficiando a Terra e seus ecossistemas, abstendo-se de meios convencionais de crescimento.
Isso ajuda, beneficiando tanto águas superficiais e subterrâneas, com a desistência da utilização de substâncias químicas que significa que haverá muito menos poluentes e contaminantes de drenagem após a chuva (que de outra forma teria lavado os produtos químicos do solo armazenando na água e lagos, etc), também é um risco muito menor do que afetam os ecossistemas de insetos e proporcionar um melhor controle da doença natural, contribuindo para o equilíbrio de controlar essas facetas vitais e deixá-los para o ecossistema natural em si em vez de ser manipulado quimicamente.


Tradução e Pesquisa: Mundo Orgânico

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Na Alemanha, o crescimento nas vendas de produtos orgânicos estagna


Após anos de crescimento, as vendas de produtos orgânicos na Alemanha, estão agora em uma fase de estagnação."Este é o fim do" boom "de produtos orgânicos", disse o jornal WirtschaftsWoche. Assim, no final, o furacão da crise econômica mundial afetou até mesmo a indústria de orgânicos.
A situação estagnada depende em grande parte da queda de preços que tem sido detectado nos supermercados alemães, segundo relatos da Freshplaza.it. Os preços baixos significam menos receitas, certamente. Além disso, algumas lojas de descontos têm reduzido a sua gama de produtos orgânicos.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Nova proposta para regulamentação de vinhos orgânicos na Europa

O regulamento comum proposto na produção de vinhos orgânicos na Europa está prevista para o final de março ou início de abril, depois de especialistas nacionais e europeus terem discutido o documento há meses. Mas, como a agência de notícias italiana ANSA sublinhou, há muitos problemas a serem resolvidos, especialmente em relação à qual deve ser o nível aceitável de sulfitos no vinho orgânico. Estas substâncias estão sempre presentes nos vinhos que são produzidos naturalmente pela fermentação, mas em alguns casos, eles são adicionados na forma de SO2 para preservar o vinho durante as várias fases da vinificação. Embora a sua concentração seja menor, em média, em países como Itália, é muito maior no norte da Europa, França, Alemanha e Áustria.
Portanto, será necessária no novo regulamento no futuro a definição do nível aceitável de sulfitos sobre os vinhos orgânicos, porque é nesse item que as maiores diferenças surgem. E, de fato, devem ser revisado antes de março ou abril.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Estabelecidas novas regras para a pastagem na produção de leite orgânico nos E.U.A

Fotografia:Matthew Staver for The New York Times

O Ministério da Agricultura dos E.U.A emitiu na sexta-feira novas regras destinadas a resolver uma disputa no setor de agricultura orgânica sobre quanto tempo as vacas leiteiras orgânicos devem passar de pastagem em pastagem.
A decisão foi aplaudida por muitos na indústria de orgânicos, que afirmam que estas novas regras irão aumentar a confiança dos consumidores de leite orgânico e poderia forçar alguns grandes laticínios nos estados a alterar a forma como eles operam.
"Este é o maior negócio para o setor orgânico, durante muitos anos", disse Miles V. McEvoy, administrador-adjunto do Programa Nacional de Orgânico, o braço do Ministério da Agricultura que regula o setor da agricultura orgânica.
"Por causa da controvérsia e as acusações contra algumas das maiores fabricantes de lacticínios, ela irá realmente contribuir para aumentar a confiança dos consumidores no rótulo de produtos orgânicos. É por isso que é tão importante para nós, definir o padrão para a pastagem de gado orgânico".
As novas regras esclarecem uma antiga exigência de que apenas o gado criado organicamente tinha que ter acesso ao pasto. Isso deixou uma brecha para algumas fábricas de lacticínios que iria colocar as vacas para o pasto apenas durante os períodos em que os animais não estavam dando leite ou alimentar os animais quase que exclusivamente com grãos ou outros alimentos.
A nova regulamentação, que entrará em vigor em junho, é muito mais específica. Ela diz que os animais devem pastar em pastagens para o comprimento da estação de crescimento local. A temporada será determinada pelas condições locais e as autoridades de agricultura, como certificadores orgânicos ou funcionários do condado, e não pelo criador de vacas leiteiras. Embora a estação de partejo deve durar pelo menos 120 dias, em muitas áreas, será muito mais longo.
As regras também dizem que os animais devem receber pelo menos 30 por cento dos seus alimentos de pastagem durante a estação de pastejo.O Sr. McEvoy afirmou que as regras seriam aplicadas pelos certificadores orgânicos, que será obrigado a fazer pelo menos uma inspeção por ano. Em alguns casos, os controles adicionais serão feitos.
"Há esta sensação de que haverá uma igualdade entre as grandes fazendas no oeste e as explorações de menor dimensão em toda a nação", disse Nancy Hirshberg, vice-presidente da Stonyfield Farm, que apóia a mudança de regra. A Stonyfield possui parceria com cerca de 1.400 fazendas de leite orgânico em todo o país, que na maioria dos casos, têm cerca de 50 a 75 vacas cada uma. Ela disse que todos os agricultores que fornecem para Stonyfield já estão operando de acordo com as novas regras.
A pastagem dos animais da fazenda Aurora Organic Dairy, sediada em Colorado, tem sido o foco de muitas críticas nos últimos anos. Para muitos, ela passou a representar as contradições incorporadas na agricultura orgânica em grande escala. A produção de leite é feita com cerca de 15.000 vacas em cinco fazendas no Colorado e Texas, com um total de cerca de 4.400 hectares de pastagem, disse Sally Keefe, presidente da Aurora e vice-presidente de assuntos governamentais.
Os dados do Departamento de Agricultura mostram que em 2008 existiam 2.031 laticínios orgânicos no país, com uma média de 108 vacas em cada um, embora muitos tivessem muito menos.
Enquanto a Sra. Keefe afirmou que ela ainda estava revendo a norma final na sexta-feira, ela espera que pouco coisa teria de mudar nas operações da fazenda."Nossas vacas já pastam durante pelo menos 120 dias por ano, mais tempo de quem está bem ao norte do pais," completou a Srª Keefe. "E cremos que já cumprem os requisitos de consumo de matéria seca", disse ela, referindo-se à regra de que as vacas devem obter pelo menos 30 por cento dos seus alimentos de pastagem durante a estação de pastejo.
A fazenda Aurora, que fornece leite orgânico para as marcas próprias de várias cadeias de supermercados, concordou em fazer as mudanças significativas em 2007, após o Departamento de Agricultura ameaçou revogar a sua certificação orgânica. Entre as mudanças, eles concordaram em dar os seus animais um maior acesso à pastagem.
As novas regras aplicam-se igualmente para o gado criado para a carne. No caso da carne bovina, no entanto, a exigência de que 30 por cento dos alimentos devem ser provenientes de pastagens é levantada durante o chamado período de acabamento, que é quando os animais são engordados para o abate e são muitas vezes alimentados com grãos. No entanto, durante esse período, eles ainda devem ser autorizados a pastar.

Fonte:http://www.nytimes.com

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

A produção de uvas orgânicas em todo o mundo aumentou 21% em 2008


Pelo menos 150.000 hectares de uvas orgânicas foram produzidas mundialmente em 2008, registrando assim um aumento de 21 por cento em comparação com os dados de 2007.De acordo com os números divulgados pelo último levantamento da FiBL / IFOAM , os países com maiores áreas plantadas de uva orgânica são a Itália, Espanha e França.
Os números mais recentes da uva foram compilados no âmbito de uma pesquisa anual sobre a agricultura orgânica em todo o mundo.Os últimos dados sobre a agricultura orgânica em todo o mundo será apresentado na FiBL, IFOAM Organic Monitor em 19 de fevereiro de 2010, no Congresso da BioFach.

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

União Européia cria logo para alimentos orgânicos


A união européia lançou recentemente o "Euro-leaf", logo que será obrigatória a partir de 1 de Julho para todos os alimentos orgânicos pré-embalados produzidos em qualquer um dos 27 estados membros da UE.O logotipo verde, com as 12 estrelas da União, na forma de uma folha, será facultativa para os produtos importados.
Os logotipos nacionais de alimentos orgânicos existentes terão permissão para aparecer ao lado do novo logótipo da UE. Um estudante alemão ganhou uma concorrência para projetar o novo símbolo. Dusan Milenkovic recebeu um prêmio de € 6.000 (£ 5,254).Cerca de 130.000 pessoas votaram on-line para escolher o símbolo e o de Milenkovic recebeu 63% do voto total. O concurso foi organizado pela Comissão Européia.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Empresa de alimentos orgânicos do príncipe Charles perdeu 3.3 milhões de libras em 2009


A empresa de Alimentos Orgânicos do príncipe Charles, Duchy Originals, registrou perdas no valor de 3.3 mil toneladas em 2009. A empresa teve que pedir um empréstimo de 1,5 milhões de libras para a Fundação de Caridade do herdeiro do trono britânico para continuar.
A Duchy Originals, que o príncipe criou em 1990, em um esforço para provar que havia um mercado para alimentos orgânicos, doa os lucros aferidos para a Fundação de Caridade do príncipe, o seu proprietário final. Mas, de acordo com a contabilização, não conseguiu fazê-lo durante os últimos dois anos,segundo os relatórios do Daily Express.
A Duchy Originals entregou mais de sete milhões de libras para a instituição de caridade desde a sua criação, mas a empresa tem sido duramente atingida nos últimos anos por uma queda de 25 por cento da procura de alimentos orgânicos, após alegações de que ele não era melhor do que o alimento comum, e um aumento acentuado no custo dos ingredientes.
Em setembro, o gigante supermercado Waitrose tentou salvar a empresa depois de assinar um contrato de licenciamento exclusivo para fabricar, distribuir e vender produtos Duchy Originals.Foi aumentado sua gama de produtos de 200 para 500 itens, a fim de gerar mais dinheiro para suas obras de caridade.
As perdas de 3,27 milhões de libras e do empréstimo de 1.5 milhões de libras foram divulgadas na prestação de contas relativas ao exercício findo, em 31 de março de 2009.
A porta-voz do Príncipe Charles admitiu que a sua fundação de caridade tem continuado a apoiar financeiramente a empresa desde então.
"Está sendo apoiado temporariamente o fluxo de caixa. Esse apoio tem continuado neste exercício. O dinheiro será reembolsado no futuro próximo", afirmou a porta voz..


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O mercado de orgânicos representa uma tendência mundial


O mercado de orgânicos está, cada vez mais, consolidando-se como um importante ramo da economia mundial. Uma projeção da Organic Monitor (Organic Consumers Association/UK) aponta para o fato de que atualmente o consumo de cosméticos sem ingredientes sintéticos, por exemplo, é de 4%, mas que em 2012 este número poderá chegar aos 10%. No Brasil, a criação do Projeto Organics Brasil, fruto de uma ação entre o poder público e o privado foi prova de que esta tendência também se confirma.
O objetivo da iniciativa é o de promover os produtos orgânicos nacionais no mercado internacional.E uma das melhores maneiras de se fazer comércio internacional com os orgânicos é participando de feiras especializadas. Nesse sentido, é importante ressaltar que a maior e mais importante delas, a BioFach, acontecerá em fevereiro na Alemanha e contará com a participação das empresas associadas ao Organics Brasil.Para Claus Rätting, Membro do Conselho de Administração da NürnbergMesse, uma das maiores organizadoras de eventos de negócios no mundo, "a grande tendência dos últimos anos é, certamente, a importância crescente do valor ecológico, social e econômico acrescentado aos produtos.
Com relação as novidades, as maiores tendências são os vinhos e cosméticos naturais que já na edição de 2009 da BioFach foram recebidos com entusiasmo pelos visitantes".A Beraca, empresa nacional que fornece, por meio de sua divisão Health & Personal Care, matérias primas como o buriti, a copaíba, a andiroba e o açaí para quase 40 países, sabe bem o poder dos cosméticos orgânicos. Segundo Felipe Sabará, diretor de Negócios da organização, em 2010 a divisão HPC deverá ser a responsável por metade do faturamento da empresa. Mas nem só de negócios é feita a BioFach.
"A exposição tem uma importância política e social para o desenvolvimento do setor orgânico, questões que ultrapassam em muito a importância dos negócios concretizados imediatamente", afirma Rätting. Por isso, os expositores trabalham de maneira que os produtos orgânicos atendam ao conceito de sustentabilidade, ou seja, sejam viáveis tanto economicamente como ambiental e socialmente.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Consumo de produtos orgânicos


Dados divulgados pelo IBGE mostram que os produtos orgânicos já reúnem 90 estabelecimentos, o que representa 2% do total da oferta. Por outro lado, estudo inédito da Market Analysis aponta que 1 em cada 6 brasileiros que residem nas grandes Cidades compra regularmente produtos orgânicos, ou seja, 17,3% consomem tais produtos de uma a cinco vezes por semana. Em São Paulo, o número de consumidores de produtos orgânicos ultrapassa um milhão. Nas cidades de Recife e Porto Alegre, o número de compradores de produtos orgânicos também é expressivamente semelhante: aproximadamente 153 mil."Tradicionalmente, as compras de orgânicos ocorriam nas feiras ecológicas ou de rua semanais, ou então, nas lojas especializadas" comenta Fabian Echegaray, diretor da Market Analysis. "Entretanto, essas compras cada vez mais ocorrem no âmbito das grandes redes de supermercado".

domingo, 7 de fevereiro de 2010

O Governo do Canadá está investindo na indústria de produtos orgânicos da Columbia Britânica


O Governo do Canadá está investindo na indústria de produtos orgânicos da Columbia Britânica para permitir que os agricultores locais possam tirar proveito de novas e crescentes oportunidades de mercado.O membro do Parlamento Ed Fast (Abbotsford) anunciou um investimento de até C$ 900.000 para ajudar o Certified Organic Associations of British Columbia (COABC) implementar uma nova estratégia de desenvolvimento mais abrangente do mercado para o setor de orgânicos.
"Nosso governo sabe que os agricultores são fundamentais para a economia do Canadá, especialmente quando começam a mostrar sinais de recuperação", disse Fast, em nome do Ministro da Agricultura Gerry Ritz.
"A agricultura orgânica oferece novas oportunidades de mercado que irá reforçar os investimentos. Este investimento vai ajudar a construir um roteiro para manter os agricultores orgânicos na vanguarda da inovação, melhorar as práticas da indústria, e certificar os agricultores para poderem responder às demandas de consumo crescente de alimentos cultivados organicamente ".
O Programa de Desenvolvimento Estratégico do Setor orgânico tem cinco objetivos: aumentar a capacidade do setor, elevar a confiança nos sistemas de certificação de produtos orgânicos , a promoção da gestão ambiental, o avanço e inovação da investigação biológica e reforçar as infra-estruturas orgânicas.
Trata-se de criar um diretório de recursos para os produtores, o desenvolvimento de propostas de pesquisa, projetando um instrumento de avaliação ambiental a ser utilizado no processo de certificação, e materiais educativos bem como oficinas para incentivar os agricultores a transição para produtos orgânicos.
"Este financiamento vai permitir-nos continuar a desenvolver e apoiar a agricultura orgânica na BC", disse Brad Reid, presidente da COABC.
"Do campo ao prato estes fundos, aumentarão a capacidade do setor de orgânicos, e garantirão a confiança continua da BC em produtos orgânicos certificados. Somos gratos a Agriculture and Agri-Food do Canadá e os investimentos em agricultura da Fundação da Columbia Britânica (IAF) por esta oportunidade. "


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Produtores de orgânicos de Belém do Pará realizam feira


A segunda edição da Feira de Produtos Orgânicos de Belém deste ano levou dezenas de consumidores defensores da alimentação natural à praça Batista Campos neste sábado,06. A aposentada Maria da Conceição Ramos, 68 anos, que comprou verduras e frutas garante que aguarda com ansiedade a feirinha por causa da qualidade dos produtos encontrados no local. “Os alimentos são um pouco mais caros, mas a qualidade deles compensa o preço. Fico tranqüila porque sei que são produtos sem agrotóxicos, e por isso não causam mal à saúde”, comentou. A feira reuniu cerca de 40 pequenos produtores da Região Metropolitana de Belém (RMB) e de municípios vizinhos.
Entre eles, o Grupo de Mulheres Produtoras de Alimento Orgânico da Ilha do Combú, região insular da capital, que levou para o evento desde artesanato à produção de frutas como pupunha e laranja da terra, cultivadas em terra de várzea.Dóris Matos, uma das produtoras da ilha, diz que a especialidade delas são as biojóias, artesanato feito a partir de produtos extraídos da natureza, como sementes de açaí, inajá e upati. “A gente beneficia as sementes, colocando-as para secar. Depois elas recebem pintura e a partir daí começa o trabalho do artesão em si, transformando-as em anéis, cordões, fivelas de cabelos.
Mas também fabricamos doces, bombons, compotas e temos plantação de alimentos orgânicos”.Os alimentos orgânicos são considerados saudáveis porque todo o processo de produção tem que ser natural. Desde a água que é utilizada para irrigar a plantação, que não pode conter componentes químicos, até o adubo, explica a chefe da Divisão de Atividades Rurais da Secon, Ieda Rivera. Todo esse cuidado, assegura a técnica, acaba encarecendo o alimento. “Os produtos orgânicos são mais caros nos supermercados do que nas feiras livres, como essa. Porque nos supermercados só podem ser comercializados produtos com o certificado de qualidade.
Mas nas feiras, os órgãos que prestam assistência técnica aos agricultores, como a Secon, atestam a qualidade do alimento e o selo é dispensável, por isso a importância de eventos como esse”.Essa medida, segundo a técnica da Secon, foi definida pela lei nº 10.831/03 do Ministério da Agricultora, que também estabeleceu que as feiras de produto orgânico não deviam ter atravessadores, a venda deveria ser do produtor direto para o consumidor. Um estímulo para o produtor escoar com maior facilidade seus produtos e ter consumo garantido com a relação direta com o cliente.A primeira edição da Feira do Produtor Orgânico do ano foi realizada no dia 16 de janeiro. A Secon está planejando a realização de duas feiras itinerantes, nos dias 06 e 20 de março.

Fonte:Diário Online/ Ascom Fumbel

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Aumento nas vendas de produtos orgânicos nos E.U.A


O consumo de produtos orgânicos tem aumentado continuamente nos últimos 10 anos. Segundo o Departamento de Agricultura dos E.U.A, as vendas de alimentos orgânicos passou de US $ 3,6 bilhões em 1997 para US $ 21,1 bilhões em 2008. Como resultado, a agricultura Orgânica é um dos segmentos de maior crescimento na agricultura, no entanto, não está crescendo rápido o suficiente para suprir a demanda.
Claramente, o mercado de produtos orgânicos está bem estabelecido, mas uma imagem detalhada desses consumidores ainda a por ser realizada. A Organic Trade Association e pesquisadores do USDA indicam que os consumidores de produtos orgânicos são pessoas de nível superior de escolaridade, ganham acima de rendimento médio e tem filhos. Estes dados demográficos são úteis, mas é necessária mais investigação para obter uma melhor compreensão destes consumidores.
Em uma pesquisa realizada em Bakersfield, 15 por cento dos adultos pesquisados consumirem alimentos orgânicos nos últimos 30 dias, um segmento considerável no mercado global de alimentos. Se a sua empresa atende ao consumidor orgânico ou estiver explorando este mercado em crescimento, o perfil abaixo pode ser um ponto de partida para seus esforços de marketing. Uma coisa, porém é muito claro: os consumidores orgânicos gastam muito em mantimentos - 56 por cento gastaram US $ 150 ou mais nos últimos sete dias.

% dos consumidores de alimentos orgânicos por sexo:

Mulheres ........................... 51

Homens ............................... 49

Idade (%)

18-34 ......................... 40

35-54 ......................... 44

55 anos ou mais ................... 16

Renda Familiar (%)

Menos de $ 44.999 ......... 36

$ 45.000 - $ 74.999......... 22

$ 75.000 ou mais ........... 41

Educação (%)

Pós-graduação ............... 15

Graduação ........... 13

Ensino Médio ............... 24

Ensino Médio ou menos ........ 48

Montante gasto em compras nos últimos 7 dias (%)

49 dólares ou menos .........2

$ 50 - $ 99 ................... 20

$ 100 - $ 149 ................ 22

$ 150 ou mais ............... 56

(Amostra: 1.200 adultos em Bakersfield área metropolitana)
Fontes: Scarborough Research2009 R2 e The Bakersfield Californian Market Research.
Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Associação inglêsa propõe a criação de cupões de alimentos para incentivar pessoas de poder aquistivo baixo comprarem alimentos orgânicos


Famílias de baixa renda poderiam receber cupões de alimentação que lhes permitam comprar alimentos orgânicos saudáveis, de acordo com o diretor da Soil Association.Patrick Holden, diretor da organização líder da Inglaterra em produtos orgânicos, sugeriu também que pessoas com poder aquisitivo mais baixo poderiam ser incentivadas a comer melhor, aprendendo a cozinhar com produtos frescos em vez de confiar em alimento convencionais com agrotóxicos e caros.
Sr. Holden realizou estas firmações na conferência anual no Custard Factory em Digbeth, Birmingham. A dois dias do evento foram discutidas formas de combater as críticas de que o alimento orgânico é caro e elitista.Ele disse que as alegações foram mal orientadas e decorriam de equívocos culturais sobre o valor dos alimentos. Ele descreveu de baixo preço "do bem" como uma “obsessão peculiar britânica”.
Ele elogiou ainda o trabalho do chef Jamie Oliver em contestar a forma como as crianças tiveram ingredientes mais baratos em lanches na escola e disse que todos, independentemente da renda, tenham acesso à alta qualidade de alimentos nutritivos da agricultura sustentável.
Uma forma de incentivar a agricultura ética seria a introdução de um "poluidor-pagador" imposto sobre fertilizante de nitrogênio, que é amplamente utilizado na agricultura intensiva. Sr. Holden disse que tributar as emissões dos agricultores de gases com efeito estufa e criar uma igualdade de condições para os agricultores orgânicos, também trariam pontos positivos para o meio ambiente e para a sociedade.
Mas, embora tal imposto efetivamente aumente o custo de produção intensiva - trazendo-o mais em linha com produtos orgânicos - tal movimento não faria qualquer diferença para os menos favorecidos, para quem as frutas e vegetais orgânicos ainda seria proibitivamente caro.Sr. Holden afirmou que poderia haver um caso de intervenção do Estado para ajudar os mais desfavorecidos que perfazem 20 por cento da sociedade inglesa a pagar os alimentos orgânicos. A utilização de créditos para as famílias seria uma possibilidade, embora não ficou claro como o governo poderá garantir os gastos em alimentação saudável.
"Você não pode confiar no mercado para entregar as coisas de interesse público", disse Holden. "Há várias maneiras de você proteger os rendimentos mais baixos contra a má nutrição. Você poderia introduzir cupons de alimentação "Sr. Holden disse que era também uma questão de as comunidades mais pobres tenderem a confiar em refeições prontas, que são caras e com falta de benefício nutricional.
As pessoas que comem mal também tendem a não ter noções básicas de cozinha e isso só poderia ser resolvida através da educação, começando com as escolas. Ele afirmou que tinha grandes esperanças para o projeto de alimentação da Soil Association's for Life Partnership, que está procurando melhorar os padrões de refeições escolares e conhecimentos sobre a alimentação dos alunos.
Conduzido pela associação, a parceria reúne profissionais da Focus on Food Campaign, , Garden Organic and the Health Education Trust para impulsionar a confiança nas normas alimentares nas escolas e nas comunidades.Os prêmios são concedidos para as escolas com melhores resultados a cada ano. Para ser premiada a escola têm de fornecer as refeições com pelo menos 75 por cento preparados na hora, 50 por cento preparadas no local e com 30 de produtos orgânicos.


Tradução e Pesquisa:mundo Orgânico

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Cajuína Sabor Tropical é a primeira a receber certificado de produto orgânico


A Cajuína Sabor Tropical, de São Gonçalo do Amarante (CE), é a primeira a produzir cajuína com certificado orgânico. Desde 2001, a empresa mantém parceria com a Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza/CE), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).
No dia 26 de janeiro, a Sabor Tropical recebeu o certificado de produto orgânico conferido pelo IBD Certificações, especialista no desenvolvimento de atividades de inspeção e certificação agropecuária.Para obter a certificação, a Cajuína Sabor Tropical obteve apoio do Programa de Apoio Tecnológico à Exportação (Progex), por meio da Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec). O processo, que durou dois anos, envolveu mudanças na produção de caju e no processamento da cajuína, com a substituição de produtos não autorizados, como adubos químicos e materiais utilizados na limpeza das instalações da indústria, e a organização da produção segundo os preceitos das Boas Práticas de Fabricação (BPF).
A expectativa do diretor da empresa, Fernando Furlani, é oferecer um produto diferenciado para o mercado mais exigente, além de reposicionar a cajuína no mercado, conferindo preços semelhantes ao de suco integral, já que a cajuína não é adicionada de água ou conservantes. Hoje o produto é encontrado no mercado a preços semelhantes aos do néctar – suco diluído em água, segundo as definições do Ministério da Agricultura."É uma vitória nossa e da Embrapa que sempre tem dado todo o apoio solicitado.
Também é um passo importante para a cajucultura cearense, que disponibiliza para o mercado mais um produto de alta qualidade e valor agregado", disse Fernando Furlani. Segundo ele, a empresa já firmou contrato de venda para lojas de orgânicos de São Paulo. O próximo passo será a exportação.

Fonte:Embrapa Agroindústria Tropical
Verônica Freire - Jornalista

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Proposta de orçamento federal dos E.U.A pretende estimular a produção de alimentos orgânicos


O presidente Barack Obama fez uma proposta recorde para o orçamento de 3,8 trilhões dólares ao incluir um pacote de US $ 3,1 milhões em um programa importante para a indústria e agricultura orgânica de Vermont. O orçamento de Obama, que deve ser aprovada pelo Congresso, aumenta a despesa para o Programa Nacional de Orgânicos em 44 por cento, em torno de US $ 10,1 milhões. O aumento inclui US $ 2,1 milhões para revisão da regulamentação e aplicação da lei e de estabelecer acordos com outros países para ajudar a expandir as exportações.
O senador Patrick Leahy,de Vermont., Disse que alguns grupos de agricultura querem "entrar na onda" e cobrar mais por produtos com rótulos enganosos.O que eu quero é uma forte aplicação no que é 'orgânico'",afirmou Leahy, que foi o autor das normas nacionais de orgânicos e programa de etiquetagem, em 1990. "Eu não quero que as pessoas entrando em um supermercado e apenas vendo algo e diga isto é " natural "e é orgânico, mas que na verdade não é”.
Leahy completa: "Da mesma forma, se os agricultores estão dispostos a tomar todas as medidas que têm que garantir algo orgânico, deve ser capaz de ter um lucro ao fazer isso."O impulso de financiamento incluiria também um aumento de US $ 1 milhão para ajudar com certificação orgânica. As vendas de produtos orgânicos subiram perto de 20 por cento ao ano na última década, segundo o Departamento de Agricultura dos E.U.A. Vermont está entre os 10 estados com mais fazendas orgânicas certificadas e transformadores, de acordo com a Associação de Agricultura Orgânica Nordeste de Vermont.
Glenn McRae, diretor executivo do Intervale Center in Burlington, disse que os agricultores orgânicos querem normas em Vermont que sejam tão fortes e que são aplicadas a nível nacional. O centro possui 120 hectares de cultivo orgânico.Kathleen Merrigan, secretário-adjunto da Agricultura dos E.U.A, afirmou que o aumento no financiamento iria para a intensificação dos responsáveis pela aplicação de orgânicos, não só em fazendas, mas em estabelecimentos de varejo, também.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Empresa de Taiwan sob o fogo por deturpar a origem dos alimentos orgânicos


Um produtor de alimentos orgânicos foi multado nesta segunda-feira (01-02-2010) por deturpar a origem de seus produtos, vindos de Ilan County. A Yuen Foong Yu Biotech Co. Ltd, uma subsidiária do fabricante de papel Yuen Foong Yu Group de Taiwan, disse que tinha começado em dezembro passado a imprimir a localização do processamento de embalagem em seus rótulos, em vez da região de origem dos produtos. A mudança foi completamente legal, afirmou o Presidente Ho Yi-Chia da Yuen Foong Yu Biotech em uma coletiva de imprensa segunda-feira, culpando a confusão sobre a rotulagem por falta de uma legislação clara.
Inspetores e os grupos de consumidores estão em desacordo com os argumentos da empresa, dizendo que a verdadeira região de origem de cada produto orgânico deve ser claramente e de forma honesta listados nos rótulos. Segundo informações alguns dos produtos orgânicos da empresa vieram de fornecedores que ainda não receberam a aprovação oficial como fazendas orgânicas.
O inspector Wang Ya-Lin disse que a empresa é suspeita de enganar o público e poderá ter de pagar multa por estar em desacordo com Lei de Defesa do Consumidor e a Lei de Controle de Alimentos e Higiene.
Ao visitar a fazenda Fengyuan da empresa no Nan'ao, Wang encontrou batata doce de Kaohsiung rotulado como um produto de Ilan, segundo relatos. Além disso, os preços dos produtos orgânicos da fazenda da empresa estão várias vezes mais caro do que a dos outros produtores, e havia muito produto no mercado para que todos se originassem da mesma fazenda, afirmou a publicação em língua chinesa United Daily News .
O Conselho de Agricultura afirmou que o lugar de origem exigido para a rotulagem era o nome do país, não da localidade, assim ter produtos de Taiwan, sobre a embalagem era suficiente para cumprir com os regulamentos. No entanto, se eles querem estar em uma lista por região, a rotulagem terá que ser verdadeiro, afirmou o COA.
No futuro, os produtores terão que estar na lista dos locais exatos de origem, embalagem e de qualquer outro processo por onde o alimento passou, de acordo com o COA.


Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...