sábado, 13 de fevereiro de 2010

Estabelecidas novas regras para a pastagem na produção de leite orgânico nos E.U.A

Fotografia:Matthew Staver for The New York Times

O Ministério da Agricultura dos E.U.A emitiu na sexta-feira novas regras destinadas a resolver uma disputa no setor de agricultura orgânica sobre quanto tempo as vacas leiteiras orgânicos devem passar de pastagem em pastagem.
A decisão foi aplaudida por muitos na indústria de orgânicos, que afirmam que estas novas regras irão aumentar a confiança dos consumidores de leite orgânico e poderia forçar alguns grandes laticínios nos estados a alterar a forma como eles operam.
"Este é o maior negócio para o setor orgânico, durante muitos anos", disse Miles V. McEvoy, administrador-adjunto do Programa Nacional de Orgânico, o braço do Ministério da Agricultura que regula o setor da agricultura orgânica.
"Por causa da controvérsia e as acusações contra algumas das maiores fabricantes de lacticínios, ela irá realmente contribuir para aumentar a confiança dos consumidores no rótulo de produtos orgânicos. É por isso que é tão importante para nós, definir o padrão para a pastagem de gado orgânico".
As novas regras esclarecem uma antiga exigência de que apenas o gado criado organicamente tinha que ter acesso ao pasto. Isso deixou uma brecha para algumas fábricas de lacticínios que iria colocar as vacas para o pasto apenas durante os períodos em que os animais não estavam dando leite ou alimentar os animais quase que exclusivamente com grãos ou outros alimentos.
A nova regulamentação, que entrará em vigor em junho, é muito mais específica. Ela diz que os animais devem pastar em pastagens para o comprimento da estação de crescimento local. A temporada será determinada pelas condições locais e as autoridades de agricultura, como certificadores orgânicos ou funcionários do condado, e não pelo criador de vacas leiteiras. Embora a estação de partejo deve durar pelo menos 120 dias, em muitas áreas, será muito mais longo.
As regras também dizem que os animais devem receber pelo menos 30 por cento dos seus alimentos de pastagem durante a estação de pastejo.O Sr. McEvoy afirmou que as regras seriam aplicadas pelos certificadores orgânicos, que será obrigado a fazer pelo menos uma inspeção por ano. Em alguns casos, os controles adicionais serão feitos.
"Há esta sensação de que haverá uma igualdade entre as grandes fazendas no oeste e as explorações de menor dimensão em toda a nação", disse Nancy Hirshberg, vice-presidente da Stonyfield Farm, que apóia a mudança de regra. A Stonyfield possui parceria com cerca de 1.400 fazendas de leite orgânico em todo o país, que na maioria dos casos, têm cerca de 50 a 75 vacas cada uma. Ela disse que todos os agricultores que fornecem para Stonyfield já estão operando de acordo com as novas regras.
A pastagem dos animais da fazenda Aurora Organic Dairy, sediada em Colorado, tem sido o foco de muitas críticas nos últimos anos. Para muitos, ela passou a representar as contradições incorporadas na agricultura orgânica em grande escala. A produção de leite é feita com cerca de 15.000 vacas em cinco fazendas no Colorado e Texas, com um total de cerca de 4.400 hectares de pastagem, disse Sally Keefe, presidente da Aurora e vice-presidente de assuntos governamentais.
Os dados do Departamento de Agricultura mostram que em 2008 existiam 2.031 laticínios orgânicos no país, com uma média de 108 vacas em cada um, embora muitos tivessem muito menos.
Enquanto a Sra. Keefe afirmou que ela ainda estava revendo a norma final na sexta-feira, ela espera que pouco coisa teria de mudar nas operações da fazenda."Nossas vacas já pastam durante pelo menos 120 dias por ano, mais tempo de quem está bem ao norte do pais," completou a Srª Keefe. "E cremos que já cumprem os requisitos de consumo de matéria seca", disse ela, referindo-se à regra de que as vacas devem obter pelo menos 30 por cento dos seus alimentos de pastagem durante a estação de pastejo.
A fazenda Aurora, que fornece leite orgânico para as marcas próprias de várias cadeias de supermercados, concordou em fazer as mudanças significativas em 2007, após o Departamento de Agricultura ameaçou revogar a sua certificação orgânica. Entre as mudanças, eles concordaram em dar os seus animais um maior acesso à pastagem.
As novas regras aplicam-se igualmente para o gado criado para a carne. No caso da carne bovina, no entanto, a exigência de que 30 por cento dos alimentos devem ser provenientes de pastagens é levantada durante o chamado período de acabamento, que é quando os animais são engordados para o abate e são muitas vezes alimentados com grãos. No entanto, durante esse período, eles ainda devem ser autorizados a pastar.

Fonte:http://www.nytimes.com

Tradução e Pesquisa:Mundo Orgânico

Um comentário:

  1. Pesquisando na net sobre o assunto, deparei com seu blog. Parabéns pela iniciativa. Me deixa apreensiva o que está acontecendo com a agropecuária orgânica atualmente. Inclusive já me deparei com o termo - corporgânico - que sintetiza o texto acima. Não tem jeito. O Brasil deveria acordar e ver o potencial e o clima pra produzir carne e leite a pasto. É uma pena.Mas, parabéns Mestre Décio! Voltarei outras vezes.
    Cordialmente,
    Andréa Amaral Alves
    MV- MSc
    Homeopatia e Agroecologia

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...