terça-feira, 2 de junho de 2009

Guaraná orgânico é tema de seminário em Taperoá


Buscar a valorização e o reconhecimento do guaraná orgânico produzido na Bahia. Esse é o objetivo do Seminário que acontece amanhã (03), em Taperoá, com produtores e trabalhadores rurais do Baixo Sul da Bahia, principal região produtora do guaraná no estado. O evento conta com a participação da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri). O encontro tem como objetivo organizar e mobilizar os produtores e governantes a participar da I Festa Internacional do Guaraná Orgânico da Bahia, vai acontecer em março de 2010. “O seminário vai contribuir para maior valorização da cadeia produtiva e estabelecer a discussão com as cooperativas sobre a implantação do selo para a agricultura do guaraná orgânico”, afirma o superintendente da Agricultura Familiar da Seagri, Ailton Florêncio. A Bahia tem produção estimada em 1,9 mil toneladas de guaraná, numa área de 6,46 mil hectares. De acordo com o secretário de Agricultura e Desenvolvimento Econômico de Taperoá, Gerval Neves, as alternativas para concentrar a cadeia produtiva do guaraná orgânico na Bahia necessitam de ações técnicas e políticas. “As ações técnicas referem-se à criação do Sistema de Produção da cultura do guaraná, construção de unidades de beneficiamento para torragem, a operacionalização da Fábrica do Guaraná da Agricultura Familiar. Para ações políticas, busca–se a garantia de preço mínimo do produto”, afirma Neves.

Produção do Guaraná

A cultura do guaraná orgânico se destaca por sua importância econômica e social, especialmente no Baixo Sul da Bahia, na Costa do Dendê. Nessa região, existe uma constante procura pelos produtores para garantir o preço mínimo da cultura no estado, buscando soluções para o desenvolvimento dessa cadeia produtiva. O guaraná é cultivado numa área superior a 6 mil hectares e emprega mais de 3,5 mil produtores familiares, distribuídos em mais de 2,5 mil pequenas propriedades rurais, com uma produção superior a 3 mil toneladas de grãos por ano. O Estado da Bahia vem buscando o beneficiamento e a valorização do guaraná. A torragem do grão do guaraná, em panela de barro, eleva o preço do produto, pois o guaraná seco ao sol não tem valor comercial e é impróprio para o consumo humano.


Fonte:Ascom Seagri/BA

2 comentários:

  1. Éhhh..cada vez mais estamos voltando a nossas raízes.Os índios são quem mais sabem dos benefícios do guaraná.A nossa ciência deve estar consciente que ao manipular a natureza, ao colher os seus frutos deve-se devolver a segurança da sustentabilidade.
    Projetos como esse devem visualizar não somente o valor comercial em benefíco de uma classe que sabemos que na verdade é a menos favorecida, mas aliar à pesquisa frutos de atividades conservacionistas e sustentáveis. Tomara que assim seja em Taperoá!

    ResponderExcluir
  2. Realmente em Taperoá temos guaraná de primeira qualidade!
    Só não foi citado a fonte desse guaraná orgânico que é o Projeto ONÇA!
    Projeto ONÇA é um grupo de Agricultores Familiares que plantam, beneficiam e comercializam o seu guaraná orgânico certificado pelo IBD - Instituto Biodinamico.
    Não vamos esquecer de quem planta e colhe para esse mundão de gente!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...