segunda-feira, 18 de maio de 2009

Produtor inova com cultura da goiaba orgânica


Uma propriedade de Rondonópolis ingressou em uma área, até então, inexplorada no município: a plantação comercial da goiaba. O investimento foi feito no município pelo agropecuarista José Vianei Lopes Torres, na Estância Fabiana, localizada na Gleba Rio Vermelho, em Rondonópolis. Iniciada há dois anos, a atividade já apresenta bons resultados. A ideia de montar um goiabal surgiu por conta da monografia de conclusão de curso da filha de José Vianei, a engenheira agrônoma Fabiana David Torres. Na época, a filha abordou como tema a avaliação da goiaba paluma no sistema orgânico e convencional, e o pai acabou achando viável a cultura.
“Com os resultados obtidos, tanto no sistema orgânico como no convencional, a produtividade era a mesma”, lembrou-se. Um dos primeiros atrativos é que a goiaba se adapta a qualquer clima e solo, não apresentando um manejo de mão-de-obra dispendioso. Fabiana Torres conta que a escolha da paluma não foi por acaso, pois era uma cultivar pouco encontrada na nossa região, sendo mais conhecida em São Paulo e no Nordeste. Além disso, salientou o aproveitamento em escala industrial da variedade, com frutos que podem chegar até 510 gramas.
O início na atividade foi feito todo com investimento próprio. José Vianei plantou dois hectares da goiaba paluma, que surgiu de um cruzamento das variedades rubi com a suprema. Adquiriu as mudas produzidas por estaquia, sendo clones de uma mesma mãe. Segundo a engenheira agrônoma, o investimento inicial necessário não foi considerado alto. O goiabal da propriedade possui nove talhões. Visando manter uma produção constante, para abastecer sempre o mercado, Fabiana argumenta que se buscou fazer um escalonamento na produção.
Ela diz que as goiabeiras começam a produzir a partir dos seis meses. Do florescimento até a fase de colheita são cerca de 150 dias em média. Através da irrigação da lavoura e com podas programadas, a Estância Paluma consegue colher durante todo o ano. Os pés das goiabeiras são deixados em um tamanho médio entre 2 e 2,5 metros de altura, para facilitar os tratos culturais, como aplicação de defensivos, podas e a colheita.

RENDA

A produção de goiabas da Estância Fabiana é comercializada em Rondonópolis mesmo, sendo a maior parte para uma rede de supermercados local e uma frutaria. Por ciclo, estima-se uma produção de cerca de três toneladas de goiaba. Hoje, a engenheira agrônoma Fabiana Torres diz que está satisfeita com a rentabilidade da atividade. A caixa de goiaba é vendida no mercado atualmente por cerca de R$ 60,00. “No início, ficamos apreensivos porque era uma coisa nova…”, recorda-se.


Fonte:A Tribuna/Mato Grosso

4 comentários:

  1. Sou Engº agronomo, extensionista rural da EMATER - PA, em Dom Eliseu, há quatro anos, estamos trabalhando com tecnologias de manejo agroecologico para a cultura da goiaba, no município, orientando 40 (quarenta) pequenos produtores de goiaba, e dia 13 de junho (sabado) estaremos realizando o 5º Dia de Campo, sobre o cultivo de goiaba organica, pois uma atividade sustentável, e viavel economicamente.

    Oduvaldo R. Oliveira

    ResponderExcluir
  2. Achei super interessante,gostaria de saber se existe a possibilidade de um goiabal de cultura convencional se tornar organico

    ResponderExcluir
  3. Ola, somos fabricanttes de sacos em TNT para encamisar as goiabas com finalidade de proteger contra açao de insetos e raios solares, estamos a disposiçao para consultas visto que nosso projeto vai de encontro a frutos com menos agrotoxico. obrigado (19) 3546-6207

    ResponderExcluir
  4. Sou produtora orgânica no sul de minas e me deparei com um imenso goiabal de crescimento expontaneo, em área que antes era pasto e agora destinado ao reflorestamento. Gostaria de entrar em contato com algum especialista em goiabas, na região sudeste, para saber se a lavoura é viável economicamente.Obrigada.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...