sábado, 10 de janeiro de 2009

Produtos Orgânicos

*Gert Roland Fischer
A produção de alimentos sem uso de tóxicos agrícolas e pecuários passou a ser alternativa sustentável e de melhoria econômica dos minifúndios e propicia o aumento da qualidade de vida dos consumidores. Mesmo com grande parte dos projetos ainda em fase de maturação, os agricultores de Santa Catarina que optaram pela produção orgânica estão obtendo rentabilidade maior em suas propriedades do que os que seguem usando venenos.
É o que demonstra estudo realizado pelo Instituto Cepa de Santa Catarina. A pesquisa foi realizada na região de Florianópolis em 40 propriedades que adotaram a produção sem produtos químicos e em outras 40 que mantiveram a tecnologia tradicional. O valor agregado - valor bruto menos os gastos intermediários para realizar a produção - obtido pelos agricultores orgânicos de hortifrutigranjeiros é, em média, 25,2% superior ao obtido pelos outros agricultores, em decorrência dos preços melhor remuneradores e dos custos menores da produção orgânica. Como a maioria das propriedades pesquisadas tem menos de 20 hectares, a produção orgânica é uma alternativa para melhorar a situação das pessoas que estão nos minifúndios, diz o secretário executivo do Instituto Cepa, Ademar Paulo Simon. O estudo constatou que impressionantes 45% dos produtores que estão na agricultura tradicional pensam em aderir à orgânica.


Menos mão-de-obra

A pesquisa confirma que a produção orgânica exige menos mão-de-obra na produção de hortifrutigranjeiros:
Tipo De Produção Equivalentehomens/ano/estabelecimento Equivalente-homem
AGRICULTOR ORGANICO 2,91 5,55 hectares
AGRICULTOR DOS VENENOS 3,90 4,16 hectares
A ocupação de menor quantidade de mão-de-obra na produção orgânica decorre da redução do tempo gasto na busca de receituário agronômico para a aquisição de venenos, preparação de caldas de alto risco, compra de vestimentas sofisticadas para proteção do operador nas inúmeras aplicações de venenos, compra, manutenção e limpeza de equipamentos utilizados na aplicação dos agrotóxicos, construção de depósitos especiais para a guarda dos agrotóxicos, procedimentos da tríplice lavagem das embalagens, transporte das embalagens lavadas para as centrais de recebimento, constantes idas aos centros de saúde para coleta de sangue para controle dos índices de colinesterase, coleta de águas de consumo para análise laboratorial para controle dos índices de contaminação do lençol freático, participação de cursos quando novos agrotóxicos são lançados, lavação constante e em separado das outras roupas da família, de vestimentas utilizadas nas jornadas químicas venenosas, compra de medicamentos em casos de intoxicações, dias parados para cura de intoxicações agudas, compra de medicamentos para dores de cabeça, sudorese, perda de memória, entre outras despesas indiretas.
Na produção química, a utilização de agrotóxicos é intensa (muitas vezes exagerada), onde o controle da qualidade nem sempre é a pratica mais utilizada. Além da qualidade de vida, o agricultor orgânico é um grande promotor da mão de obra limpa, para realizar tarefas de produção da matéria orgânica, capinas, colheitas manuais, coleta manual de insetos predadores. Maiores volumes de substratos preparados são agregados ao solo, que desta forma passa a ter uma melhora químico-física e biológica contínua. Os alimentos mais tóxicos: tomate, pimentão, maçã, morango, batata e papaia são alguns dos campeões de tempo submetidos à chuva envenenada promovida pela aplicação de agrotóxicos. Durante o crescimento vegetal, as pulverizações ocorrem a curtos espaços de tempo, dependendo das precipitações pluviométricas que lavam as aplicações anteriores.
As jornadas fitossanitárias causam a intoxicação do meio ambiente (águas - solos - biota); dos agricultores e dos alimentos. Exames laboratoriais do Instituto Biológico em São Paulo, demonstram seguidamente que elevados índices de produtos químicos tóxicos, contaminam perigosamente os alimentos oferecidos dentro de atraentes embalagens com os mais sugestivos rótulos, ao consumidor brasileiro, denunciando índices acima dos permitidos pela Organização Mundial da Saúde.

Produtores orgânicos em SC

Há grande número de produtores interessados em migrar para a produção orgânica. Hoje o número de produtores orgânicos em Santa Catarina já deve ter superado os 706 detectados em outras pesquisas realizadas em anos anteriores pelo Instituto Cepa.
O papel do consumidor
O consumidor conscientizado deverá, exigir produtos limpos, de preferência regulamentados pelas normas de produção orgânica. Dê preferência aos alimentos que expõem selos de qualidade reconhecidos oficialmente. Cuidado com determinados rótulos que sugerem produtos sem agrotóxicos, mas na realidade são tão venenosos quanto o orgânicos. Estes utilizam a isca de comercialização para aumentarem os preços e os lucros.

As cozinhas industriais orgânicas

Um importante elo de sustentabilidade econômica surge com um interessante projeto que vem sendo desenvolvido em Joinville-SC pela empresa GRF-Alimentos Limpos - que teve como suporte o Livro Menos Veneno no Prato editado em 1992. O livro mostra as diferentes técnicas da produção sustentada orgânica.

Normas ISO 9.001: 2000 e ISO 14.001

As organizações que estão se adaptando às recomendações das normas da qualidade e da gestão ambiental devem prestar atenção aos alimentos que estão sendo serviços em seus restaurantes. Nas recomendações dessas normas, objetiva-se encorajar os empregadores a fornecer alimentos de qualidade e saudáveis para o corpo funcional, que repercute diretamente na melhora da produção industrial. Como morremos pelo que comemos, nota-se nos clientes de restaurantes industriais orgânicos o aumento da produtividade, felicidade, auto-estima, pró-atividade e qualidade de vida. Além do mais, trata-se de um projeto de Responsabilidade social de baixíssimo custo e investimento.



Gert Roland Fischer é Engenheiro Agrônomo estudioso das mudanças do clima. Consultor, Auditor Ambiental, ativista ambiental desde 1977, é membro de entidades ambientalistas do terceiro setor, voluntário e professor de educação ambiental, Membro do Conselho Editorial da Revista EcoTerra Brasil - gfischer.joi@terra.com.br



Fonte:http://www.jardimdeflores.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...